Espaço Literário

O Melhor da Web

 


Sua contribuição é muito importante!
Peço que as poesias tenham a autorização e/ou respeite o crédito do autor.

Se algum texto violar essa regra ou se o autor pedir para retirar, este será deletado de nosso banco de dados.
Qualquer abuso favor entrar em contato e comunicar o fato.
Desde já agradeço!
Cláudio Joaquim


Principal >> Mural INCLUIR TEXTO NO MURAL
23/05/2013 20:13:30 :: DALMO DE FIGUEIREDO ARRAES
Álbum de fotos.

Olhando o álbum de fotos
Tudo me volta à lembrança
Quanta beleza! Um sonho...!
Foi minha vida de criança.

Quanto foi bonito
Eu    la na minha terra,
Que paz no terreiro
Da “casa branca da serra”...!

O quintal todo florido
De dálias e margaridas,
O céu azul... Os pássaros,
Musicando nossas vidas

A chuva fina batia...
O cheiro de chão molhado,
O bate papo de sempre.
Os irmãos dormindo do lado.

Brincávamos de tudo um pouco...
Finca, pião, pipa...
Sempre tinha motivo,
Naquela vida rica.

Tinha até namorada.
O pulsar do amor sentia,
Às vezes ficava apaixonado
Mas ela nunca sabia.


A vida é um mar... Somos o barco
Os outros, você e eu.
Cada qual segue levando
A carga que recolheu...

A paz que nunca se afasta
Domínio jamais desfeito
É aquela que se constrói
Por dentro do próprio peito.

 
13/05/2013 18:29:16 :: JOSE MAURO CANDIDO MENDES


                           VÊNUS

         Autor: José Mauro Cândido Mendes


Vênus venha,
Deusa da formosura!
Oh, seduz o seu Netuno
Façamos loucura de amor
Toque seus lábios nos meus
Sele sua boca em minha boca
O seu corpo queima minha pele
Afaga-me em delírios
Seu suor me fascina e
o seu cheiro embriaga-me
O toque dos seus seios em meu tórax
Excita-me, deixa-me em êxtase...
O meu sexo extrapola o meu corpo
Embrenha-se pelas suas coxas roliças
Abriga-se no ninho do prazer
Em movimentos suave-alucinantes
Acoplamos-nos sem resistência
E amamos sem pudor...



           
 
11/05/2013 20:10:21 :: NEYLOR MAGALHÃES
TODOS OS DIAS, DIA DAS MÃES

Mãe, bastante sofrida
Mãe, que lição de vida
Que belo presente Deus me deu
Honro a sorte de ser filho teu
Querida mãe, que felicidade
Teu coração é uma cidade
Como não ser contigo feliz
Voce é a mãe que eu sempre quis
Se acaso eu ando errado
Voce me mostra o caminho
Está sempre ao meu lado
Seus conselhos são Divinos
Mãe, neste sagrado dia
Como é bom poder beijar
À quem me trouxe à vida
À quem o Amor Maior me dá
O caminho que vai, volta
Mais uma lição que Deus nos dá
És, agora, minha filha
É a minha vez de te cuidar
Parabéns, minha mãezinha!
Parabéns pelo seu Dia!
És, do mundo, a melhor Mãe
Não só hoje, todos os dias
Já cansaste de ouvir
Mas não canso de dizer:
Com carinho e gratidão
Mamãe, eu amo você!
 
12/04/2013 14:49:26 :: LUIZ CARLOS DE OLIVEIRA
NO BALÉ... NA VIDA

Coreografia não importa.

O que conta é a minuciosidade dos gestos, a sutileza das expressões, o entreabrir dos braços, o interagir dos contatos, dos passos, das mãos, do corpo.
A comunicabilidade do inatingível, do inefável.

O mundo azul das percepões, o despojar-se do agora, do real.
A sintonia de tudo que se externa, se relaciona.
A leveza do ar que compactua, o exprimir-se do espaço, que não se premedita.

A leveza...

Em que canto o encanto se exprime?
Nos pés, nos braços, no ar?

Novamente a sintonia dos braços se sobrepõe.

Não!

Parece que a vida se desnudou naquele pequeno reduto...

Mas, como na vida, há detalhes que não se captam, não se delimitam.
Voo das garças, dos cisnes, de algum enigma?

De sôfrego, um sim. É o recomeço.
Ele vai, ela vem,num descobrir de emoções, de encantos inconsúteis, que o sentido não decifra, que o olhar confunde, que deixa tudo longínquo.

Por quê?

Ela se adianta. Ele distante está.
Tudo como antes.

Imagino a vida prometendo, acenando e, de inopino, fugindo como garças, esvoaçando-se como cisnes.

Em cores vivas, impactantes, surpreendentes.

Nesses gestos, de ida e vinda, sente-se que a vida é dinâmica e que não se pode defini-la.
Porque ela é repleta de detalhes como no balé:
A parada brusca, a investida arrojada.
De repente tudo para. De repente tudo recomeça.

Pura emoção.

Viva o repentino da vida onde mora o imprevisível, onde ressurge a conquista!   

 
09/04/2013 16:21:45 :: JOSE MAURO CANDIDO MENDES
            MEU PEQUENO COLIBRI
     
      Autor: José Mauro Cândido Mendes

   “Ouve, filho meu, e aceita as minhas palavras, e se te multiplicarão os anos de vida” Prov. 4.10

D avi José, o meu colibri do cerrado, assim o cognominei    meu
            príncipe abençoado

A h! Como é gratificante tê-lo no nosso lar iluminado

V ocê veio a este mundo no dia quatro de fevereiro – mês demarcado

I ndício de muito amor a ser transbordado

J esus te abençoou o caminho designado

O nde quer que va, será sempre admirado

S eja sábio e decidido por Deus sempre protegido

E´ luz, é brilho – o seu saber por Deus agraciado
                                                   Fev/2013
 
19/03/2013 18:02:22 :: bruna
 
22/02/2013 08:43:16 :: JOSE MAURO CANDIDO MENDES
     
      ESPLENDOROSO IPÊ

                                                      Autor José Mauro Cândido Mendes


A chegada do inverno
é força aos ipês
surge sua florada num
espetáculo único e fascinante
-dádiva da mãe natureza!

Do encantamento de suas flores
   o branco da paz
   o roxo do destaque
   o amarelo da riqueza áurea
   o rosa do colorido especial

Multicolorido mundo dos ipês
os olhos que te contemplam
são os mesmos que melancolicamente
assistem o roncar da moto-serra
e fatalmente sua queda!

Aves e pássaros em tempo celebram
alegremente num rito de cantos e danças
toda exuberância de suas flores

Nos montes e montanhas distantes
lá estão em seu esplendor
soberano flui por entre o verde
escuro de nossas matas

Num contraste entre o sofrimento
E beleza- enfeitam ruas e praças
E ali, o sufocam nas poluídas metrópoles

Tristemente o seu choro ecoa,
-    em dor!
pelo desmatamento sem pudor.

 
19/02/2013 23:10:37 :: JOSE MAURO CANDIDO MENDES



     
      MEU PEQUENO COLIBRI

         Autor: José Mauro Cândido Mendes

      “Ouve, filho meu, e aceita as minhas palavras, e se te multiplicarão os anos de vida” Prov. 4.10

D avi José, o meu colibri do cerrado, assim o cognominei    meu
            príncipe abençoado

A h! Como é gratificante tê-lo no nosso lar iluminado

V ocê veio a este mundo no dia quatro de fevereiro – mês demarcado

I ndício de muito amor a ser transbordado


J esus te abençoou o caminho designado

O nde quer que va, será sempre admirado

S eja sábio e decidido por Deus sempre protegido

E´ luz, é brilho – o seu saber por Deus agraciado
                                                   Fev/2013
 
19/02/2013 23:06:41 :: JOSE MAURO CANDIDO MENDES

     
      MEU PEQUENO COLIBRI

      Autor: José Mauro Cândido Mendes

   “Ouve, filho meu, e aceita as minhas palavras, e se te multiplicarão os anos de vida” Prov. 4.10

D avi José, o meu colibri do cerrado, assim o cognominei    meu
            príncipe abençoado

A h! Como é gratificante tê-lo no nosso lar iluminado

V ocê veio a este mundo no dia quatro de fevereiro – mês demarcado

I ndício de muito amor a ser transbordado



J esus te abençoou o caminho designado

O nde quer que va, será sempre admirado

S eja sábio e decidido por Deus sempre protegido

E´ luz, é brilho – o seu saber por Deus agraciado
                    
                                 fev/2013

 
17/02/2013 14:14:36 :: LUIZ CARLOS DE OLIVEIRA


Ser como você é?

Mas

Seria você,
Não eu.

O valor da vida
mora justamente aí,
na diferença...

Pois,

Com a assimilação
de erros e acertos,

aumenta-se a probabilidade
de acertar!
 

Lomadee, uma nova espécie na web. A maior plataforma de afiliados da América Latina.