Espaço Literário

O Melhor da Web

 


Sua contribuição é muito importante!
Peço que as poesias tenham a autorização e/ou respeite o crédito do autor.

Se algum texto violar essa regra ou se o autor pedir para retirar, este será deletado de nosso banco de dados.
Qualquer abuso favor entrar em contato e comunicar o fato.
Desde já agradeço!
Cláudio Joaquim


Principal >> Mural INCLUIR TEXTO NO MURAL
16/09/2010 23:06:26 :: JOKER


QUEM LUTA COM MONSTROS DEVE VELAR POR QUE, AO FAZÊ-LO,
NÃO SE TRANSFORME TAMBÉM EM MONSTRO.
E SE TU OLHARES, DURANTE MUITO TEMPO,
PARA UM ABISMO,
CERTAMENTE O ABISMO TAMBÉM OLHA PARA DENTRO DE TI.

MINHA SOLIDÃO,
NÃO TEM NADA A VER COM A PRESENÇA OU AUSÊNCIA DE PESSOAS…
DETESTO QUEM ME ROUBA A SOLIDÃO,
SEM EM TROCA ME OFERECER VERDADEIRAMENTE COMPANHIA….”


(( FRIEDRICH NIETZSCHE ))

 
16/09/2010 19:42:24 :: ROBERTO MURAD KALLIN


Minha vida...

Tudo é uma constante mudança.
As pessoas mudam, o mundo muda...
Tudo se transforma com o tempo,
Nada, permanece igual se nós quisermos.

Devemos viver cada segundo intensamente.
Nada é perfeito, na nossa vida surgem obstáculos,
E muitas vezes vemo-nos sem saída.
Mas para tudo existe uma solução,

Em cada dia aprendemos novas lições,
E com elas procuramos não errar novamente.
Podemos também achar o dia a dia monótono
Mas se olhar-mos para o céu e para o sol
E ver o seu brilho é porque há esperança.

Podemos ser felizes com pequenas coisas.
A vida pode ser uma eterna primavera,
Com flores sempre a nascer.
A vida é renovação, é esperança,
É termos força para lutar.
É buscar os nossos sonhos e ideais,
Com toda a força que pudermos,
Pois com certeza alcançamos o que procuramos;
Seremos felizes se um dia
Ao olhar para traz pudermos dizer:

"Eu lutei, eu vivi eu venci, e valeu a pena".
"Não sou feliz, e nunca fiz alguém feliz!"

Roberto Kallin
 
16/09/2010 12:49:57 :: Thay


O Adeus

   O casal se beija
na despedida da madrugada,
A mulher com suas pernas finas e compridas segue a rua em frente até virar a esquina..
O rapaz sobe de volta a seu apartamento...
Se deita na cama agora sózinho, relembrando do que acabara de viver ali...
Tudo foi tão lindo e envolvente que ele desejou que não tivesse fim....

Mas o fim sem ser convidado,chegou mesmo assim.
Levou embora sua dama...

Mas as lembranças daqueles momentos,
Nem o tempo as levara de sí.

   Fim
Thay B.(Tarlene Brito)
 
16/09/2010 12:47:51 :: Thay


Ventos do Destino


Vou sentindo o vento
correndo entre as árvores na noite gelada...
Escutando seu zunido cortado entre as montanhas...
É este frio que me congela a alma...
Mas é o teu amor que me aquece o coração.

Vou seguindo o caminho marcado na relva...
O caminho é dificil,
Cheio de pedras e espinhos...
Mas eu não me importo, pois vou seguindo meu destino,
Por vezes eu uso meu facão para raspar estes espinhos e
cavo com a pá em volta das grandes pedras do caminho...
Eu as removo e ...
Não desisto nunca, pois sei que no final desta trilha encontrarei você
Me esperando sorrindo!
Fim
Thay B.(Tarlene Brito)
 
12/09/2010 21:59:17 :: Thay


Li e gostei...

Mesmo que um dia,eu me consuma na dor de te perder...
Me recuso a abandonar a idéia de te amar!
Mesmo que um dia eu tenha que sentir a dor de te vêr partir ...
De te vêr voltar para um antigo amor...
Eu me recuso a fazer fila junto aos covardes que não ousam entregar-se a uma paixão!
Mesmo que um dia eu tenha que seguir sózinho sem você, ao menos levarei comigo o gosto do teu amor,o gosto da...
Vida!

(Autor desconhecido,caso alguém conheça o autor favor entrar em contato comigo para que eu possa dar os devidos créditos)

Thay B.(Tarlene Brito)
 
12/09/2010 18:55:24 :: LUIZ CARLOS DE OLIVEIRA


ESTEREÓTIPO

Houve um lapso.
Persisti, ao longo dos meus anos,
nesse afã.

Hoje, desnudo de mim,
entrevejo a luz do sol esvair-se,
como um sonho.

Voltando ao espelho, não me reconheço.

Terei - sem volta - estereotipado a própria vida?
 
12/09/2010 13:12:55 :: EDUARDO EUGÊNIO BATISTA


SOLIDÃO A DOIS


Neste distante trecho da estrada em que ficamos a caminhar,
Nem de longe se parece com o mundo qual me pôs a sonhar.
Radiante já não é o meu amanhecer que um dia foi esplendor,
Eu entre as cinzas nuvens que me rodeiam, não vejo seu amor.

Pétalas de rosas jogadas em nossa apaixonada comemoração,
Onde o perfume da esperança coube lá dentro do meu coração;
São as lembranças ressecadas de um mofo descontentamento,
No qual o prazer que a você eu cativava ficou no esquecimento.

Meus tantos apelos a uma santa que me salvasse do sofrimento,
E tivesse compaixão por uma mulher maltratada em sentimento,
Nesse desamor que em mim existe, ferindo-me como um espinho;
Desmancharam-se, não tendo eu mais esperanças nesse caminho.      

Apagando-me, sigo de longe a tua forma que uma sombra parece ser,
Com muito medo de perder meu carinho e que mais possa acontecer.
Em nossa morada há um ermo de solidão que se intensifica devagar,
E eu com medo de me perder e nunca mais num paraíso poder morar.

Na plenitude dos anos eu me recordo de todas as belezas passadas,
Mesmo no perdão que eu te dei por amor nas suas aventuras erradas.
Não quereria nunca que essa distância tão próxima assim me atingisse,
Mesmo que meu coração eu enganasse e pra você eu nunca existisse.

Uma amargura é muito mais difícil curar do que uma profunda ferida,
Ainda mais quando ela ficou cravada na passagem desta minha vida.
Nesta união tão bonita na qual nunca se espera o silêncio do depois,
Vejo agora o ensinamento da infelicidade nesta solidão de nós dois...   
  


Eduardo Eugênio Batista
 
12/09/2010 13:10:20 :: EDUARDO EUGÊNIO BATISTA


TENHA PENA, TENHA DÓ


Tenha pena da ignorância.
Tenha pena da arrogância.

Tenha pena da nossa Santa Maria.
Tenha pena para a falta de alegria.

Tenha pena para adotar um filho.
Tenha pena do disparo do gatilho.

Tenha dó do que nasce morto.
Tenha dó do trabalho no porto.

Tenha dó da mulher no parto.
Tenha dó do doente no quarto.

Tenha dó da paz que não existe.
Tenha dó do amor que não insiste.

Tenha pena dele e de você.
Tenha pena do que não vê.

Tenha dó da injustiça.
Tenha dó dessa cobiça.

Tenha pena da falta de fé.
Tenha pena do escravo josé.

Tenha dó da raiva que te consome.
Tenha dó do ser humano sem nome.

Tenha dó da fome e da guerra.
Tenha dó da vida que encerra.

Tenha pena de tudo o que é feio ou anormal.
Tenha pena para escrever o bem e não o mal.



Eduardo Eugênio Batista
 
12/09/2010 13:06:49 :: EDUARDO EUGÊNIO BATISTA


HIBISCOS VERMELHO-SANGUE


Da janela do meu quarto, muito, muito feliz;
Eu apreciava e ouvia o piar dos passarinhos.
Sem eu querer... O destino sempre nos condiz.
A uns metros, eu reparei nos meus canteirinhos,
O meu pé de hibisco vermelho-sangue em botão...

Na manhã seguinte eu quase que adivinhando,
Fui apreciar as suas flores abertas me esperando.
Apesar de não terem nenhum perfume consagrado,
Sentia que elas queriam que eu ficasse ao seu lado.
De mansinho me aproximei, toquei-as com o coração.

Enormes pétalas bem desenhadas em harmonia,
Atraiam-me com força, irradiando muita energia.
Parecia que me convidavam a dizer meus segredos;
Seduziram-me, para ali eu depositar os meus medos.
Foi assim que aconteceu, formou-se uma confissão...

Eu falava de coisas belas e tristes da minha vida
Desta pessoa que eu sou, muito simples e querida...
Esperando que elas entendessem qualquer sofrimento
Que por mim passou e confortando-me neste momento...
Senti que a cada dia, tudo isso tinha um preço, uma razão...

Elas estavam aos poucos morrendo e nada eu poderia fazer.
Uma vida curta, onde as minhas confidências foram tragadas
Numa cumplicidade, bondade e amizade de um grande prazer.
Os esforços para elas se abrirem ao sol às deixavam cansadas,
Ainda lembro das pétalas retorcidas, que deixavam compaixão.

Ali mesmo no meu jardim um sepulcro se fez presente
As flores uma a uma, foram murchando, se recolhendo;
Sentia enorme dor quando as via caídas na minha frente.
Com todas elas um sopro de mim também foi morrendo.
Sei que cada uma em vida, foi um momento de adoração...

Para aqueles diálogos que cada hibisco vermelho-sangue levou
Foi uma lição que eu aprendi com o respeito a tudo que é belo.
Eu sempre vivi plenamente o que o destino para mim reservou,
Mesmo não alcançando a perfeição, fui puro e amei o singelo.
Feliz e paciente então, eu esperarei até a sua próxima floração.


Eduardo Eugênio Batista
 
12/09/2010 13:05:12 :: EDUARDO EUGÊNIO BATISTA


AS CORES DA HUMANIDADE



Do negro, faço a tinta que escorre em poéticas palavras,
No lamento da liberdade racial que demora a aparecer...
Do negro, retiro o escuro manto de todas essas nossas
Vergonhas que nunca existiriam no seu modo de viver.
Do negro, queimo o livro dos pecados das nações,
Que na forma de império esqueceram as multidões.
Do negro, retiro a força de Zumbi dos Palmares,
Para que na negra noite de estrelas reluzentes,
Observemos os gritos de alforrias nos olhares.

Dos amarelos, quero sempre esse sol nascente,
Para ofuscar a dor do massacre de tanta gente.
Dos amarelos, quero a inteligência e sua simplicidade.
Os costumes milenares, a beleza em sua naturalidade.
Dos amarelos, em todas as cerejeiras quero ver a floração,
Espalhando essa linda cor rosa, dentro de cada coração...   
Dos amarelos, peço-lhe a paciência de Confúcio pensador,
Para que a filosofia de vida se resuma em amor e não dor.
Onde o recomeço irá marcar o desejo de Jesus o salvador.

Dos brancos, peço a igualdade, que não selecionam humanos,
Para que nem em pensamento eu ouça a palavra preconceito.
Dos brancos, quero distribuir o perdão pela voz desses insanos,
Dar um grito de vitória que está nascendo dentro do nosso peito.
Dos brancos, retiro todas as maldades num grande exorcismo,
Para que em cada canto do planeta ele exerça a lei, o civismo.
Dos brancos, quero fazer da paz, minha enorme bandeira,
Onde será escrita uma mensagem que será nossa herdeira.
“Entre os seres humanos o respeito vale uma nação inteira”
  


Eduardo Eugênio Batista
 

Lomadee, uma nova espécie na web. A maior plataforma de afiliados da América Latina.