Espaço Literário

O Melhor da Web

 


Sua contribuição é muito importante!
Peço que as poesias tenham a autorização e/ou respeite o crédito do autor.

Se algum texto violar essa regra ou se o autor pedir para retirar, este será deletado de nosso banco de dados.
Qualquer abuso favor entrar em contato e comunicar o fato.
Desde já agradeço!
Cláudio Joaquim


Principal >> Mural INCLUIR TEXTO NO MURAL
10/01/2009 06:41:27 :: MANOEL SERRÃO DA SILVEIRA LACERDA


A FELICIDADE NÃO É EXTRATO DE TOMATE [SerrãoManoel]

Convenhamos a felicidade não se acha embalada num invólucro herméticamente fechado, não vem enlatada feito extrato de tomate ou azeitona, tampouco empacotada feito café a vácuo.

Com a felicidade não se contrata, não se avença e tampouco se adquire como um produto de consumo ou um bem durável que se compra e paga em qualquer loja ou supermercado.

É pura perda de tempo passar pela vida e não vivermos porque entendemos que o melhor caminho é correr atrás da felicidade como se corre atrás d'um emprego qualquer ou atrás de uma bola quando se joga uma partida de futebol. Burrice? Não! É       estupidez mesmo!

Ledo engano é quem pensa de tal forma já que muito melhor do que alcançarmos a felicidade é viver! Viver muito e intensamente todos os dias que nos permite Deus. Para tua felicidade a felicidade manda um recado, manda te dizer que: É bem melhor viver a tentativa de consegui-lá alcançá-la do que propriamente alcançá-la de fato. Perde a graça!

Na vida o grande barato e contentamento de se viver prazerosamente com um sorriso aberto repousa muito mais na grande viagem do caminhar em sua direção afim de alcançá-la do que chegar ao destino do seu alcance.

Estados de felicidade são tão fugazes, frívolos e efêmeros quanto o       vento zéfiro que passa e nos beija suavemente o rosto. Portanto a felicidade que buscamos por alcance quando achamos que conseguiremos alcançá-la, esta pode não ser mais aquela felicidade que imaginávamos nos fazer tão felizes como ideal de vida quando à desejamos no passado recente. Isto porque       o meu e o teu desejo, os nossos desejos       de felicidade       desejada decerto em outro momento da vida já não são os mesmos dantes, isto é, por que desejos voam, passam e vão para um outro front bem distante daquilo que pensavamos existir no hoje e assim já não mais comportam na vida que explode apressadamente. Tudo muda. O mundo muda. Os desejos mudam. Eu mudo. Tu muda. Nós mudamos. E tudo continuará mudando. Ou seja, a fila anda. Luiz Vaz de Camões expressa de forma precisa e clara o mudar acima sob comento ao professar que: "Mudam-se os tempo, mudam-se as vontades, muda-se o ser, muda-se a confiança; Do mal ficam as mágoas na lembrança, e do bem, se algum houve, as saudades". Não te deste conta?       Contudo mesmo cônscio das ânsias e desejos de outrora que no-lo serve no mais agora, ainda assim segue cometendo o mesmo erro de elementar recorrência, isto é, segue adiando o viver a vida só para alcançá-la como se conquista uma vitória tal qual numa maratona decisiva. E assim erguê-la como um trofeu no alto do podium como símbolo e prova da façanha ao seu próprio ego que te cobra pela infinitude. E eis que surge um ser feliz para sempre.

E ponto finale! É mamão com açúcar, não é!

Será que o teu Eu, o trófeu e o pódio imaginam que serão felizes para sempre? Quanta infelicidade, ó pá? Melhor ser feliz!

 
09/01/2009 23:22:09 :: ANNA


Mais um ano de vida

Mais um ano de solidão
E eu sozinha na multidão
Sinto-me assim, não sei por quê
Na verdade sou muito amada
Tenho uma enorme família
Amigos reais, amigos virtuais
Nunca tive inimigos
Aonde vou sou bem aceita
Mas a solidão nunca me deixa
Tenho na alma um universo
Que sempre está presente
No coração muito amor
Que às vezes me sufoca
Sinto magia e fantasia
Idéias me brotam da mente
Povoada de mundos que serão sempre só meus
Mas me sinto sozinha...
No meio dessa multidão
Tenho um Deus que me sustenta.
Me da forças na jornada
Mas... Não importa os motivos
Dessa minha solidão
Pois sei que sou muito
Amada

Anna
 
09/01/2009 08:52:39 :: DENISE CARVALHO


SOBRAS


colar pedaços


de imagens e pinturas


emolduradas de situações


conexas e condecoradas




sensíveis traços


de trilhas


embates e perspectivas


tudo: mitos e desafios




sensações divinas


cerco ao surreal


visão dilacerante




de mim


um pouco


de ti


minhas sobras bastam!


DENISE CARVALHO
 
08/01/2009 19:19:33 :: ARAUJO FRANCO
LEMBRANDO DE DEUS.
Seu moço me da licença, vou lhe contar a minha história
Em busca da fama e glória, sai sem rumo sem nada
Botei o meu pé na estrada e me lembro que naquela hora
Vi mamãe ajoelhada aos pés de Nossa Senhora, rezando e fazendo prece pro filho que ia embora.
Com a voz quase embargada disse adeus e fui saindo, sabendo que estava indo ao encontro dos sonhos meus, acompanhado por Deus lhe pedia proteção que me mostrasse e que não me faltasse o pão.
Fiz de tudo nesta vida, trabalhei como ajudante servente de pedreiro, fui padeiro e até caminhoneiro e foi nesta última profissão que eu me arrumei na vida, pois comprei o primeiro caminhão.
Esperto nos negócios e muitas vezes já lesando os sócios fui adquirindo fama e riqueza, agora eu mandava e não pedia, eu tinha muito dinheiro.
Passei a ser arrogante, mulher eu tinha aos montes prá satisfazer todos os caprichos meus, maltratava os empregados e vou ser bem sincero não gostava daquela gente pobre e doente que só me aborrecia e prá dizer bem a verdade eles tinham mesmo é que cumprir as minhas ordens gostassem ou não afinal de contas eu era o patrão.
Não preciso dizer que passei a usar e traficar o tal pó que alucina e mata, e foi com esta nova amizade que fiquei muito mais violento e respeitado até que um dia a casa caiu.
Num cerco bem planejado a polícia fortemente armada prendeu todos os amigos meus. Felizmente escapei com vida e não sofri nenhum arranhão no físico, mas por dentro eu tinha morrido, porque no canto em que fiquei fui viajando de volta no tempo relembrando os caminhos percorridos e descobri que a maior falha que tive foi tirar Deus da minha vida.
No longo retorno prá minha casa enfrentando as intempéries do tempo, a vergonha, a fome o descrédito, tudo isso caminhava ao meu lado. Após dias de viajem parei enfrente a minha casa empurrei de vagar a porta e não contive a emoção, mamãe estava ajoelhada no chão conversando com Nossa Senhora, e antes que ela me notasse ouvi as suas preces rogando proteção ao filho seu e que ele nunca se afastasse dos caminhos de Deus.
Pois é seu moço, hoje ando pelo mundo e sou conhecido apenas como um vagabundo que já teve fama e dinheiro, que se esqueceu de    orar e vigiar como recomendou Nosso Senhor, e por causa disto perdeu a fé no Cristo que apenas com alguns pães alimentou uma multidão e se hoje quero tomar um café    só se alguém me pagar porque eu não soube conservar tudo o que o pai    me deu, esta foto que lhe mostro seu moço, este sou eu, precisei ficar sem nada na vida prá voltar a lembrar de Deus


 
08/01/2009 10:32:50 :: LUIZ GONZAGA BEZERRA




Treme-treme!
A alma grita
O peito geme
Ai! Querida!
Estou feliz
Estou perdido
Louco da vida.
 
08/01/2009 10:31:40 :: LUIZ GONZAGA BEZERRA

Treme-treme!
A alma grita
O peito geme
Ai! Querida!
Estou feliz
Estou perdido
Louco da vida.
 
08/01/2009 05:35:07 :: MANOEL SERRÃO DA SILVEIRA LACERDA


ROSA AMARELA [SerrãoManoel]

Por vezes sem destino
flana o amor em fugaz rendição.
Noutras saco de gelo!

Onde cessa o querer?
São outros quinhentos.
Ofertai uma rosa amarela.


 
07/01/2009 19:21:52 :: ANDRÉ SESTI DIEFENBACH


Escrevo e solto no vento... se você ler, já me contento!!! Pessoal, convido a todos para acessarem meu blog no endereço: www.blogopoeta.blogspot.com    lá estão publicadas poesias com locução e algumas com esboço de melodias para futura gravação. Quem puder e tiver interesse visite, e se quiser deixar algum comentário será muito bem recebido! Abraços e um excepcional 2009 a todos!
 
07/01/2009 00:30:22 :: RICARDO DE BENEDICTIS
ACADEMIA DE LETRAS CONVIDA ESCRITORES DESTE SITE

A Apolo - Academia Poçoense de Letras está com seu Portal na net e convida os escritores do MELHOR DA WEB. Acessem e divulguem nosso link:    www.apoloacademiadeletras.com.br

CONHEÇA NOSSO SITE E VENHA PARTICIPAR CONOSCO.

FELIZ 2009 PARA TODOS VOCÊS!

Ricardo De Benedictis
 
06/01/2009 23:26:10 :: MANOEL SERRÃO DA SILVEIRA LACERDA


A MODA É DOMA QUE NÃO AMOLA.

Moda a moda, foras de moda são    moda que a moda temporal há tempos Incomoda.
           
Moda a moda, dentre modas, dentro da moda incomodam-se às inquietas concepções que os põe aquém na nova moda.
           
Moda a moda, bem ou mal, velha ou nova, vai e vem, e no aqui    agora do seu tempo em que se tornou moda é doma que não amola.

É artigo não raro de efeito nauseabundo feito excremento gororoba que inflama a fleuma e o ego dos parvos, dos incautos e dos ota's; dos ricos e dos pobres; dos súditos e dos nobres. Tampouco, poupa os ditos cujos papas mídias pops dessa moda.
        
Saibas sem segredos e sem    delongas no frist time today    agora, mesmo em Havana, Angola, Bagdá, Paris ou Noves fora York moda que a passarela do mundo globalizado gira-roda, desfila sobre o próprio eixo feito uma bola. Que um dia tem 24 horas, que tudo conceitualmente deriva, gravita e circunscreve-se em torno dos padrões do sistema social de consumo descartável e de origem indubitavelmente duvidosa. Que segundo os segundos, minuto a minutos, ou de hora em hora, cria, aliena ti guarda à vista, governa, impõe, inspeciona, endoutrina, espiona, predica, parquea, controla, calcula, aprecia, censura, comanda, nota, registra, sela, mede, recenseia, tarifa, cota, avalia, patenteia, autoriza, rotula, impede, admoesta, licencia, submete, reforma, corrige, reenvia, extorque, utiliza, explora, monopoliza, resgata, pressiona, reprime, mistifica, multa, rouba, vexa e vilipendia, espanca, maltrata, acossa, desarma, garroteia, aprisiona, fuzila, metralha, deporta, traí, julga, condena, enforca, vende, exila, ridiculariza, desonra, ultraja.

A moda do modernismo e do pós e dos "is mos", a moda do style e dogmas ou    grosso modo a moda à sua moda sob pretexto da utilidade pública e do bem estar social também virou moda. Consome, costura e devora os servos e parvos foras de moda quão os filhos, e por ai vai sob a espada de Dâmocles passando o ferro, carimbando o passaporte e os rumos daquele que pela lei da repetição servirão à servidão como instrumentos esquecidos no camarim da vã estória.

No cardápio recheado o prato a lá cartel servido à moda da casa são tristes pax-vobis enrolados vítimas da dita moda de efêmero e fugaz reinado. Como a ordem dos fatores não altera o contéudo da moda, não importa, dentro ou fora; tarde ou sem demora; há um tempo em que sóis moda, há um tempo em que és "o fora de moda", e há o tempo em que sequer tu foste lembrado ou esquecido pela nora, pela madrasta ou pela prima dona droga dessa moda.

Vede então seu "filho d'moda"! Já que a moda do sistema não amola os foras da e os foras de, assim como os que andam na crista da onda da nova moda, o preço da conta a pagar o estilista Dealta costura manda ligeiro e sem demora. É glamour que vem com juros, multas, correções, trs, IPI, ICMS, IPTU, TAXA de LIXO, TAXA de ILUMINAÇÃO, DPVAT, ETC.

É glamour que vem com corrupção, falta de saúde e educação, segurança, transporte, etc.

Assim ó pá!    À parte os louros do podium como tesoura sem fio é cega e inútil sem a pedra de afiar que    amola, ora, pois, pois, tu podes me dizer então no agora já que o flash da máquina disparou a foto no último dia do ano bem na marca da hora quem afinal de contas inventou a diarréica merda dessa moda?


MANOELSERRAO - SZL/MA - O.S. S - 27.01.2004.
 

Lomadee, uma nova espécie na web. A maior plataforma de afiliados da América Latina.