Espaço Literário

O Melhor da Web

 


Sua contribuição é muito importante!
Peço que as poesias tenham a autorização e/ou respeite o crédito do autor.

Se algum texto violar essa regra ou se o autor pedir para retirar, este será deletado de nosso banco de dados.
Qualquer abuso favor entrar em contato e comunicar o fato.
Desde já agradeço!
Cláudio Joaquim


Principal >> Mural INCLUIR TEXTO NO MURAL
16/01/2009 00:57:41 :: GORETTI ALBUQUERQUE


                  “CULPAS>”

Seu moço eu não tenho culpa
Das culpas dos outros não
Me entregaram toda culpa
E não dividiram não.

Seu moço eu não sou culpada
Das culpas dos outros não
Das minhas, peço desculpas
Dos outros, não peço não.

Seu moço eu nem sei porquê
A vida me tem culpado
Será por eu não ter culpa
Das culpas dos tais culpados?
Seu moço eu vivo de culpas
Que o mundo tem repassado
Culpas essas que    eu    só vejo
Nos dramas e seriados..

Seu moço eu não quero as sobras
Das culpas dos outros não
Cada um pegue sua culpa
Sem dividir com o irmão,

         Maria Goretti A lbuquerque.

 
16/01/2009 00:56:11 :: GORETTI ALBUQUERQUE


            Solo triste.

Se te sentes tão fraquinho
Pensando em desanimar
Pede ao homem consciência
E em tudo melhorar
Salvar os teus nutrientes
Que estão tentando levar.

Solo que nos dá fartura
Põe na mesa o alimento
Pra tanta gente fartar
Exiges conhecimento
Do homem que traga a terra
Deixando-a no esquecimento.

Pedes para a natureza
Ser compassiva contigo
E que ensine ao próprio homem
A não ser seu inimigo
Tira de ti, seu sustento
Mais é um ser pervertido.

Solo do agreste sertão
Castigado pela seca
Espera a chuva já vem
Muito em breve não te esqueças
Os botõezinhos em flor
Brotarão, não te esmoreças.

Faz brotar a erva daninha
Também os lírios do campo
Cobre a relva e toda a terra
Com resplendor e encanto
Se o homem não te cuidar
Em breve virá seu pranto.

      Goretti Albuquerque..

 
16/01/2009 00:54:35 :: GORETTI ALBUQUERQUE


Onde me encontro.

No cantar de um passarinho
Vigiando o próprio ninho
No viajante errante
Que busca em vão um caminho
Por certo não encontrou
Um caminho que ilumine
Nem um mundo que o fascine.

Em cada olhar profundo
De quem se acha sem mundo
No semblante do mendigo
Que em seu nome já trás
Pedido de alguém que o olhe
Num prato cheio, sua paz.

Nas mãos da mulher que passa
Gesticulado com o filho
Na criancinha que chora
Sem sequer ser compreendida
Será que ela (criancinha) já sabe
Que isso faz parte da vida?

Aquele homem sisudo
Indo para lá e para cá
Na vida que vai levando
E junto vai me levar
Ou quem passa pela vida
Somos nós que a manejamos.

                              Maria Goretti Albuquerque
 
16/01/2009 00:52:52 :: GORETTI ALBUQUERQUE


                  Rodas do Tempo.

Gira o mundo bem depressa
Pois bem sei que tenho pressa
De tudo o que aqui perdi
Quero correr ao encontro
E trazer nesse momento
O que precisa minha alma.

Corre o vento contra o tempo
Me faz lembrar por momentos
O tempo em que fui feliz
Vou segurar esse tempo
E trazer nesse momento
O que precisa minha alma.

Roda moinho e trás o vento
E com esse vento, a alegria
Que deixei por essas bandas
Quero minhas alegrias
E trazer nesse momento
O que precisa minha alma.

Tempo que corre, me espera
Para ver se pelos caminhos
Recolho os meus espinhos
Não quero ferir ninguém
E trazer nesse momento
O que precisa minha alma.

Mundo que voa ligeiro
Trás sobre as asa da “Fêniz:”
A minha doce inocência
Que o mundo a fez tragar
E trazer nesse momento
O que precisa minha alma.

            Maria Goretti Albuquerque
 
16/01/2009 00:50:22 :: GORETTI ALBUQUERQUE
Sem Explicações.
                                               

Por que a flor nos comove
Com seu perfume do além
Um botãozinho embriaga
Perdoamos a alguém
Mesmo estando separados
Damos as mãos, a um bem.

Um perfume já nos lembra
Alguém que queremos bem
Ao meio a tantos cheiros
Não penso em mais ninguém
Pode passar    lá adiante
Sabemos ser nosso: Bem.

Uma abertura na blusa
Desperta o olhar de alguém
Dispara um sentimento
Queremos ir mais além
Adrenalina do corpo
Manda a resposta pra alguém.

Um andar meigo e faceiro
Faz a gente fraquejar
Não desviamos os olhos
Nem tão pouco, o pensar
Um fogo arde por dentro
E faz a mente viajar.

Um sorriso e um olhar
Seduz e deixa marcado
No coração de alguém
Um suspiro foi fisgado
Um requebrar de quadris
E um grande amor foi selado.

         Goretti Albuquerque.

 
16/01/2009 00:44:52 :: GORETTI ALBUQUERQUE


 
16/01/2009 00:42:38 :: LUCIANO SPAGNOL


Abraça-me que abraço-ti

Você que é o amor meu
Nada digas, quero um abraço teu
Com teu cheiro de correspondeu
Pois assim, seremos um só eu
No sabor do teu e do meu amor   
Juntinhos respirando o calor
Do laço cheio de eterna emoção
Fundidos em um só coração
Num ousado sentimento forte...
Abraça-me que abraço-ti.

Luciano Spagnol
Rio, 16/01/2009
00’08”
www.poesiaempauta.fst.br
-site do autor-

copyright © Todos os direitos reservados.
Se copiar citar a autoria – Luciano Spagnol e o site www.poesiaempauta.fst.br
 
16/01/2009 00:11:17 :: MANOEL SERRÃO DA SILVEIRA LACERDA


DITOSO [SerrãoManoel]

Dorme, ó ditoso! Se outro dejá vú, senão, supremo não lhe move.
Sabeis do óbvio tanto quanto o fogo se apaga n'água. Dorme!
Sabeis do óbvio tanto quanto o rancor cega e o ciúme põe venda nos olhos. Dorme!
Sabeis do óbvio tanto quanto o amor debela a ira e o ódio. Dorme!

Dorme, ó ditoso! Dorme!

A debalde não julgueis mais ninguém.Acorda!
A debalde não forjeis para entes próximos idílios mais festivos que celebrem a mentira?

Aos convivas se te impõe a veste do aparente,
que fazem-no parecer teus pares, vê-de já é hora?
Levanta-te do sono e do teu sonho acorda!
Sejais vós um só por todos os dias, que Deus melhora!
Só pavê na sobremesa serve a porta aos hipócritas!

 
15/01/2009 18:48:48 :: LUCIANO SPAGNOL


MESMA SINTONIA

Corpos dançando na mesma sintonia
Mãos regendo a mesma sinfonia
Inspiradas no ritmo da mesma melodia
O amor!
Numa performance de sobrepor
A solidão, a dor...
Nos levando em frenética paixão
Onde os balés dos olhares se dão
E os sapateados da fala se acareiam
Num arranjo perfeito de harmonia
De mesma simpatia, mesma conjunção
Dedilhando as cordas da emoção
Acelerando a perfeita batida do coração
Num balanço de se querer
Num movimento de se ter
O compasso da eternidade com você.

Luciano Spagnol
Rio, 15/01/2009
10’12”.
www.poesiaempauta.fst.br
-site do autor-

copyright © Todos os direitos reservados.
Se copiar citar a autoria – Luciano Spagnol e o site www.poesiaempauta.fst.br
 
15/01/2009 15:24:09 :: MANOEL SERRÃO DA SILVEIRA LACERDA


EM 30 DIAS NO MELHORDAWEB - 4233 VEZES MEU MUITO OBRIGADO. [SerrãoManoel]

Aos amigos domelhordaweb, aos leitores e aos poetas, digo-vos: Hoje [14.01.2009] ao completar um mês no melhordaweb “se navegar é preciso viver a poesia é muito mais”.
Ora direis agora:    “tresloucado amigo”! Que conversas com elas? Que sentido tem o que dizem, quando estão contigo? E eu vos direi: “Amai para entendê-las” [Olavo Bilac].
4233    vezes? “A poesia é como fogo que arde sem se ver” [Camões].
4233 vezes? A “Estrela vésper do pastor errante” [Castro Alves].   
4233 vezes? Ó poemas “Acendo um cigarro ao pensar em escrevê-los e saboreio no cigarro a libertação de todos os pensamentos” [Fernando Pessoa].
4233 vezes? “Um poema é como um gole d’água bebido no escuro” [Mário Quintana].
4233 vezes? “Amar-te mais. E no entanto amar-te mais e mais” [Pablo Neruda].
4233 vezes? "O tempo é a minha matéria, o tempo presente, os homens presentes, a vida presente" [Carlos Drummond].
4233 vezes? O verbo nos versos do poema faz do vate o    poeta um "anjo e arcanjo" mais perto de Deus.
Não notai? Não notai que o "Verbo Divino é a palavra divina". Que "O filho de Deus, enquanto Deus e Homem, é a palavra de Deus e obra de Deus juntamente: "Verbum caro factum est"    [O Verbo se fez carne]. -    [Sermões do Padre Antonio Vieira].
4233 vezes?    Sim! 4233 vezes o verso e o reverso do poema, o poeta e a poesia! 4233 vezes até que o infinito aos seres convençam de que    "O amor é o vento, as marés, as ondas, a luz solar". Até que o homem aprenda que " Sua energia é incalculável, tem muitos cavalos de força. Nunca cessa, nunca afrouxa; pode mover o globo sem um ponto de apoio; pode aquecer sem fogo; pode alimentar sem carne; pode vestir sem roupas; pode abrigar sem teto; pode criar um paraíso interior que dispensará um paraíso exterior. Mas embora os homens [os poetas] mais sagazes de todas as épocas tenham lutado por divulgar esta força, e todo o coração humano venha senti-la mais cedo ou mais tarde, quão pouca dela ser aplica, de fato, aos fins ..." [Henry Thoreau].
4233 vezes? Minha terra tem palmeiras, onde canta o Sabiá;
As aves que aqui gorjeiam, não gorjeiam como lá [Gonçalves Dias].

Finalmente, a todos os poetas, leitores e amigos o    meu muito obrigado.   

Do poeta SerrãoManoel.

 

Lomadee, uma nova espécie na web. A maior plataforma de afiliados da América Latina.