Espaço Literário

O Melhor da Web

 


Sua contribuição é muito importante!
Peço que as poesias tenham a autorização e/ou respeite o crédito do autor.

Se algum texto violar essa regra ou se o autor pedir para retirar, este será deletado de nosso banco de dados.
Qualquer abuso favor entrar em contato e comunicar o fato.
Desde já agradeço!
Cláudio Joaquim


Principal >> Mural INCLUIR TEXTO NO MURAL
28/01/2009 23:56:25 :: EDVALDO ROSA


A liberdade dos andarilhos...



Olhar fixo para além da janela, buscando algo que nem existe, ou se existe não se mostrou ainda.

Pensamentos dispersos, voando... Parando um pouco aqui, um pouco acolá!

Mãos trêmulas!

Segurando um maço de cigarros e um isqueiro, incertas ainda sobre o que fazer com eles...

Ouvidos atentos a todos os sons, estranhando alguns, outros nem tanto!

A procura através da janela se faz com nervosismo e ansiedade!

Estar só é um enorme sacrifício e uma tortura. Estar completamente só é uma loucura!

Na memória vou buscando volta e meia os motivos desse exílio.

Bobagens vão sendo encontradas aos montes...

Uma briga com a esposa, uma sisma com os filhos, a namorada de um deles, a mãe sempre chorosa e o cachorrinho da sogra!

Que salada!

Que bagunça sem nome, construindo um mal estar tão agudo, oprimindo tanto o meu peito que respirar parece um martirio!

Queria ser agora, um andarilho! Ter a liberdade das estradas...

Viver um pouco da vida de cada lugar, gozar da vida de cada parada!

Ter nos olhos outras cores, fora o cinza desta cidade empoeirada! Ouvir outros sons que não fossem os dessas buzinas desesperadas, ansiando um movimento, que se acontece, lhes é ainda lento e ineficaz!

Minha boca tem fome...

Queria tanto comer comidas estranhas ás que até aqui tenho devorado, maquinalmente, sem cara de quero mais!

Queria tanto sentir outros sabores, diferentes destes já tão iguais...

Meu corpo tem fome...

Fome de um amor! Um amor estonteante!

Minha alma então se ressente... Estou a procura de algo mais!

Queria tanto ser outro, liberto desses sentimentos, desses pensamentos, desses receios do que é certo eu do que é errado... Queria estar liberto de meus atuais pudores, para viver amores que nem sentem medo de amar e nem de serem amados!

Queria o gozo mais longo... Daqueles que hoje creio estarem envoltos em pecados!

Assim o amor em mim seria menos calmo, menos sempre o mesmo, morno, requentado!

E até o meu desejo estaria sendo assim sempre renovado!

Quem sabe em outras terras não sentiria de novo o frescor de meus melhores anos, naqueles em que eu era o melhor em tudo e o mais belo e o mais desejado?

Quem sabe em outras terras eu não seria disputado por inúmeras e belas donzelas,onde tocar-lhes a pele alva não se constituiria um enorme pecado... Nem abusar de suas carnes, nem tanto assim resguardadas...

Mas ao olhar, que não encontra nada disso através da janela, se manifesta!

É tudo, outra vez, delírios e sonhos...

Será que nesta altura de meus anos, uma loucura em mim se instala?

Desvarios e sandices, indo e vindo dentro de minha mente, bulindo com as iniquidades em meu coração produzindo estes desvarios...

Não sou feliz da forma que vivo, ou vivo de uma forma infeliz?

As paragens onde posam os meus olhos nada respondem ás indagações que me acorrem nesta hora, uma nuvem negra, no entanto, passa sobre a minha casa, talvez seja a mesma que me aperta o coração e seja a mensageira de tantas mágoas.

E entre os dedos o maço de cigarros, com o qual pouco a pouco me mato e na outra mão o isqueiro que nervoso acendo tresloucado, olhando fixo as suas chamas, nas quais me imolo!

Volto minha face para um espelho suspenso em uma parede da sala e súbito tudo me parece    engraçado, tudo isso parece muito engraçado...

Meus olhos fitando os meus olhos no espelho encontram uma face embasbacada!

Eu aqui pareço aquelas criancinhas mimadas, ressentidas pelo tratamento que lhes fora dado ou aqueles jovens que foram pegos em seus atos mal feitos e por isso malfadados...

Eu aqui procurando futuros incertos, tanto quanto o foi o meu passado, chorando lágrimas temperadas pelo sal do desepero e do desentendimento.

Enquanto a vida lá fora, livre das garras de meu olhar viciado, vibra e se propaga!

Ser enfim um outro não mudaria nada!

Ele, o outro, nem ao menos teria algo a ver comigo, não sentiria as minhas dores e os meus machucados nem seriam as suas chagas...

Se ressentiria com outras coisas e estas minhas coisas seriam apenas piadas...

Ser assim tão diferente de mim mesmo, faria tanta diferença, que seria necessário a natureza parir-me assim como sou para que eu existisse... Os mesmos pais para uma mesma vida?

E as estradas, estas de meus sonhos, que me acenam assim tão divinas, não seriam as mesmas onde imprimi minhas pegadas...

Passos e espaços em que lançaria o meu corpo, meus sentimentos e minha alma!

No fim, o único espaço para o andarilho, que ele pode chamar de seu, é aquele que ocupa os seus pés. E a sua liberdade, mesmo não estando tolhida por grades, dependerá apenas de si...

Tudo o que o cerca não lhe pertencendo, não é verdadeiramente seu e sua vida estará restrita ao que lhe propicia os seus sentidos, pois os alheios serão apenas breves brisas fugidias...

Sou assim, o que faço de mim mesmo, serei assim, o que ardentemente fizer de mim.

Sendo um andarilho nesta vida, tudo o que tenho e que posso chamar de meu é o que trago comigo,

será o modo com que reparto com os outros o que é meu, será o modo como os outros repartem comigo o que é seu, que fará a diferença em nossas vidas... Os pensamentos e sentimentos que compartilhamos, em sua origem, são nossos, mas que se transformam ou não com o contato com os pensamentos e sentimentos dos outros...

Apenas para quem me ame e bem queira, tudo o que partir de mim terá um maior valor, pois a empatia que nos unir trará uma melhor compreensão de tudo o que partir de mim...

E mesmo aquilo que não for aceito ainda assim será um sopro de vida, da minha vida!

No fim os outros desejos manifestos não passam de desvarios que nem em minha mais tenra idade poderiam ser satisfeitos quando ousaram ser manifestos...

A alma andarilha, liberta, vaga, caminha pelos caminhos abertos pelos corpos, a mente e os sentimentos se são hemisférios opostos fazem parte da geografia misteriosa da vida.

Encontro-me agora nesta solidão tanto mais longe de mim mesmo, quanto a distância entre dois pontos, entre opiniões diferentes, sentimentos de toda a gente; mas será que não é apenas uma questão de observação, paciência, amor e empenho?

Se os passos do andarilho definem o seu espaço, não será apenas uma questão de sorte que uns tenham os pés mais largos e outros não.




Edvaldo Rosa

WWW.EDVALDOROSA.COM.BR

24/01/2009

 
28/01/2009 20:52:23 :: Godinho@Godinho


CAMINHOS SEM VOLTA

Há um medo à conter,
Distância à percorrer,
Caminho à refazer,
Esperança em viver...

Medo que encurta meus passos,
Voz que acusa o cansaço,
Coração em descompasso,
Veias picadas nos braços...

O ecstasy me estimula,
O crack é minha viagem,
Caminhos que não tem volta,
Pra morte são as passagens...

Parentes nem querem me ver,
A sorte também discrimina,
Sei que logo vou morrer,
Vejo a morte em cada esquina...

Não há piedade,há cobrança,
Minha vida na balança,
Vida que já foi criança,
Hoje um fio de esperança...

Vejo sonhos destruídos,
A infância interrompida,
Dos amigos excluídos,
Vejo a mãe desiludida...

Tenho que pagar o preço,
Não ouvi conselhos seus,
Falava-me com tanto apreço,
Pedia pelo amor de Deus...

Não há mais tempo pra nada,
O prazo já se esgotou,
A morte desesperada,
Me segue onde quer que vou...

É chegada a minha hora,
Vieram pra me buscar,
Me arrancarão da senhora,
Jogarão em algum lugar...

Peço a Deus que te console,
Nem sei se vais me atender,
De forças pra que não chore,
Coragem para viver...

Não chores por mim querida,
A droga é mesmo cruel,
Me tirou da sua vida,
“Mas a gente se encontra no céu”...

by:Godinho@Godinho


 
28/01/2009 17:17:40 :: MANOEL SERRÃO DA SILVEIRA LACERDA


CRIANÇA [SerrãoManoel]

Desde a infância
o amor é como uma criança,
não fala com estranhos.


 
28/01/2009 11:44:08 :: GORETTI ALBUQUERQUE

Los amantes de la vida.

La vida de alguien que sólo vive
Espere a que su amor
Es dulce y amargo a veces
Depende de la evolución
Si el amor es mucho
El corazón quiere hablar.

Burbujas de amor ardiente
Llenar nuestros corazones
Ya perdió su brújula
Por otra parte, la ratio de
Lo hace así cuando vimos
Consigue tus pies en el suelo.

Te amo mi vida
Tú eres mi ilusión absurda
He perdido el camino
Eres mi amor todo lo
Quédate conmigo para siempre
Seré para ti un escudo.

Mi vida fue amante de usted
Y siempre tiene que cerrar
Siempre encontrar buenos en todo
Para ocultar este amor
Ahora mi pecho
No puede soportar.

Te amo como la vida
Dios del Cielo me quiere
Además me encanta la tierra
En el cielo yo Te amo
Por cierto bien con los ángeles
No puedo esperar para usted.

      Goretti Albuquerque.
 
28/01/2009 11:30:06 :: Godinho@Godinho


MEU MEL

Olhos de mel,lábios estreitos...
Sorriso gostoso,rostinho perfeito...

Lindos dourados,brilho intenso...
Pequena mulher,coração imenso...

Pequenina flor,olhar que fascina...
Caixinha de amor, jóia rara,prata fina...

Jeito inocente,voz delicada...
Mexe com a gente sem dizer nada...

Estrela do meu céu,flor de primavera...
Paisagem feita à pincel,colorida em aquarela...

Encanto do meu canto,soluços em meu pranto,lágrimas que cai...
Olhar de menina,águas cristalinas,ondas que vem e que vai...

Noite de luar,dia que amanhece...
Brisa que refresca,sol que me aquece...

Corpo de sereia,coberto de beleza...
Encanto e simpatia, jeitinho de princesa...

Obra prima do universo,vou te definir assim...
É a poesia,é o verso,”é o presente que Deus deu pra mim...”

Amo você!

By: Godinho@Godinho
 
28/01/2009 11:13:43 :: ALEXANDRE BRUSSOLO


Águas Virgens

Corre as águas cristalinas
vão de encontro ao penhasco
para que no fim deste abismo
continuem seu curso claras e límpidas como são.
A vida em seu ventre vive sem a penumbra
de um rio já ameaçado pelas trevas do silêncio.
Águas que cortam por entre as matas ,
águas que tonificam a vida dos vegetais
que dá o espetáculo das matas virgens,
água que purifica a alma do homem.
Corra, fuja, enquanto podes, da perversidade humana.
Te escondas da ambição e da ganância,
não deixe te transformar em águas mortas,
não deixe abortar a vida que está em seu ventre.
Quero te ver ainda imponente, o fruto intocávelda natureza
e não mais uma vítima da chamada civilização.


Alexandre Brussolo (13/01/1992)


TEXTO: 44
 
28/01/2009 03:26:23 :: FER FONTES(Cöllyßry)


Agradece à Vida que foi tua escola

Agradece à Terra que te deu o pão

Agradece ao Mar que te sedentou

Agradece

Agradece

Agradece

Mas…

Nunca bajules.


Collybry
 
28/01/2009 03:17:37 :: FER FONTES(Cöllyßry)


Em teus lábios deposito
O beijo…
Aquele,
Declamado dos poetas…
O beijo húmido quente
Aquele…
Com fogo dos amantes
A saudade que fica
Em lamento
Do amor declarado
No desejo
Que rompe em
Grito…

Fer Fontes
 
28/01/2009 03:13:55 :: FER FONTES(Cöllyßry)


Não é o aspecto do casulo que dignifica a qualidade da semente...

Foge do falso ingénuo
Nunca saberás com o que contar…

No meio de ladrões, nunca será roubada(o)
No meio de vigaristas, nunca serás enganada(o)
No meio de hipócritas, nunca acreditareis

Uma flor sobressai no meio do mato,
Mas…
Desaparece no canteiro.


Cõllybry
 
28/01/2009 02:02:59 :: MANOEL SERRÃO DA SILVEIRA LACERDA


EU CONFIO [SerrãoManoel]

Confiar
eu confio,
até que
o verbo traia.
 

Lomadee, uma nova espécie na web. A maior plataforma de afiliados da América Latina.