Espaço Literário

O Melhor da Web

 


Sua contribuição é muito importante!
Peço que as poesias tenham a autorização e/ou respeite o crédito do autor.

Se algum texto violar essa regra ou se o autor pedir para retirar, este será deletado de nosso banco de dados.
Qualquer abuso favor entrar em contato e comunicar o fato.
Desde já agradeço!
Cláudio Joaquim


Principal >> Mural INCLUIR TEXTO NO MURAL
12/02/2009 21:31:31 :: GORETTI ALBUQUERQUE


   Desejos quase...

Quando me tocastes
Com tanta candura
Foi como buscar-te
Em um sonho a parte
De imensa ternura.

Quando me beijastes
Com afagos mil
Meu corpo a falar-te
Percebe o incarte
De um amor febril.

Quando quase é nada
Perto dos desejos
Da pessoa amada
Das bocas molhadas
De jovens mancebos.

Quando na volúpia
Eu disser que não.
Ame a revelia
Feito uma enguia
Tira-me o chão.

Quando em meus braços
Transformado em anjo
Cerca-me com laços
Mata-me em abraços
Seduz-me em um canto.

Quando quase mortos
De um feliz cansaço
O amor de dois corpos
Incendeiam aos poucos
Suspiros aos pedaços.

Quando tua miragem
Suga minha mente
Na louca viagem
Buscando a drenagem
De te amar, somente.

                                                            Goretti Albuquerque.




 
12/02/2009 21:28:57 :: GORETTI ALBUQUERQUE


                                    Contatos Virtuais.

A Internete
É uma inquete
Muita das vezes
Nos aborrecem
Muitas pessoas
Que nos molestam.

Mas não são poucos
Que mentem as claras
Quando querendo
Expor-nos as taras
Repetem horrores
Por eles, falam.

Nossos valores
Ninguém nos rouba
Somos mulheres
Que pensam e ousam.
Quando ouvimos os disparates
Silenciamos isso faz parte.

Homens, mulheres
De fino trato.
Modernidade?
Tem sempre um fato
Mais mãos e mentes
Fazem o retrato.

Enquanto isso
Estão-se tristes
Por vários fatos
Em desperdício
Chega um E-mail
Alguém propício.

Cada mensagem
Nos acalantam
Às vezes rimos
Ou lamentamos
Pessoas lindas
A nós, amando.

Em um monitor
Sentimos tudo
Desde um carinho
De um postal
Alguém de longe
Diz-me um ”que tal”?
Não percam tempo
Com coisas más
Amem e espalhem
Amor e Paz
Seu monitor
Amor já trás.

Pessoas dignas
Coração belo
Lá bem distante
Dizem mi cielo!
Um oi querida
Como estás bela?

Busquem o bem
Levem a Nação
Os absurdos
Joguem ao chão
Meu lindo amigo
Minha paixão!

                                                Goretti Albuquerque.



 
12/02/2009 17:29:39 :: GIULIA DUMMONT


BREVINSTANTE

Tudo é breve:
a hora, o dia,
o ano, tudo;
a mágoa, o choro,
o riso, a paixão.
Um simples beijo:
ainda que brevinstante,
é vida, é amor!

Giulia Dummont

http://temporais.blogspot.com/
 
12/02/2009 02:47:05 :: sdfsdfsdfsdfsd


Nós, numa prosaica tarde de sábado


Hoje, exatamente as 14 horas de uma tarde de sábado e após todas as rotinas estressantes de uma semana corrida, deparo-me com a lívida imagem de dois colibris preto-púrpura, rabos bifurcados e longos, corpos pequenos e sinuosos, em cima de um fio de poste, numa rua pacata, urbana e sob asfalto. Isso me deixou extasiado e feliz. A capacidade nítida sobre a vida que readapta e, apesar das mazelas, apesar das celas, dois colibris idênticos conseguem sobreviver.
Assim somos: eu e você, continuamente. Diferentes sob o toldo. Nada ousa nos pôr rótulos. Ninguém.

Continuamos.

O ônibus custa a passar e começa a chuviscar.
Vejo mais três andorinhas no céu.
Duas voam quase ligadas.
A terceira fica para trás, longe.

Quem somos nós nesse monte de alfafa?

Agulhas tortas, prontas para costurar silêncios.
 
11/02/2009 23:08:54 :: MARCIO COSTA
A meu amor

A meu amor, uma serenata.
A minha vida, uma fragata.
A minha solidão, uma ponderação sensata.
A tudo o que vejo, minha admiração.
A meu amor, meu coração.
A minha vida, uma canção.
A minha solidão, novamente uma ponderação.
A tudo o que vejo, um bumbo e uma flauta.

A minha história, uma página em branco.
A meu encalço, um bater de tamanco.
A minha lembrança, total encanto.
A tudo o que vejo, minha solidão.
A meu amor, minha vida.
A minha vida, meu coração.
A meu amor, uma canção.

A noite fria, um abraço.
A seu presente, um laço.
A esperança, a eternidade.
A nossa vida, a extrema saudade.
A nosso passado, a lembrança.
A eternidade, a esperança.
A tudo o que está perto,
Tudo no fim dá certo.
 
11/02/2009 11:25:46 :: Godinho@Godinho
FALAR DE VOCÊ

Falar de você,é expressar os mais nobres sentimentos...
É amar,é sonhar,é sorrir,é tê-la nos pensamentos...

É sentir a calma da natureza,do paraíso...
Atravéz da alma,da sua beleza,do seu sorriso...

Seus olhos brilhantes,luz de diamante,trazem harmonia...
Dizem a verdade e fazem amizades,com simpatia...

Olhos bonitos,que com seu brilho,transmitem amor...
Transmitem calma enxerga a alma,seu interior...

Não tens maldade,faz caridade,tem sentimentos...
Sua ternura, à alma invade,cura por dentro...

Gosta de todos,ama a vida e a liberdade...
Manda mensagens às pessoas queridas que sente saudade...

Frases bonitas diz o que sente,fala com à alma...
Luz infinita,que ilumina a gente e transmite calma...

Vê na poesia,paz e harmonia,tranqüilidade...
Vê nos amigos a luz que irradia da sua bondade...

Tens simpatia e inspira sonhos a quem à conhece...
Seus recadinhos,frases e scraps,quem lê não esquece...

Assim é você,à quem descrevi e tentei me expressar...
Disse o que senti,não pude impedir o coração de falar...

Poeta não sou,mas você que me inspirou a te descrever...
Digo com certeza “que com sua nobreza,tenho muito à aprender”...

by:Godinho@Godinho
 
10/02/2009 13:02:16 :: ALEXANDRE BRUSSOLO
A Derrota

      __ Mestre, está ferido!
      __ Não é nada, eu estou bem, apenas me ajude a erguer a lança.
      __ Mas senhor...
      __ Não ouse me contrariar, você está comigo para me servir e pronto.
      Sir Cristopher era teimoso, a última coisa que admitia era estar envelhecendo e que estas competições para ele já não davam mais, o tempo era de muitos jovens aprendendo e ingressando.
      Lembrar que seu nome causava medo aos mais novos, ele era o terror de todos os cavaleiros mais antigos, ídolo incontestável dos mais novos, sempre em sua armadura dourada, cor do ouro, cor da fortuna e de sua sorte. Sempre acompanhado por seu fiel escudeiro, Thomas que nunca o deixara na mão, cuidava de sua armadura como um guarda cuida do tesouro real.
      Thomas já havia pedido para que seu mestre, era assim que o chamava carinhosamente, deixasse o campo de competição, pois já havia conquistado a glória sem ter conhecido a derrota. Agora estava lá enfrentando um cavaleiro bem mais jovem, mas que tinha a mesma determinação da juventude de seu mestre.
      Mas Sir Cristopher era muito orgulhoso para admitir a que seria a única derrota de sua vida. Como dizia Thomas, o orgulho é a cegueira da humanidade, mas seu mestre sempre rebatia que o homem sem orgulho é um homem sem coragem, então Thomas preferia calar-se.
      Agora estava lá com a ponta de uma lança encravada em seu ombro, pedira a Thomas que a retirasse para que pudesse voltar para a segunda rodada, ele tentou argumentar para que ele parasse mas ele era muito teimoso, o pior é a teimosia misturada com o seu orgulho, aí não tem argumento que dê jeito.
      Fez de pronto o que o Mestre lhe pedira, primeiro retirou a ponta da lança e depois ajudou-o com sua lança.
      __ Mestre, o senhor mal aguenta segurá-la, pelo amor do Deus que você tanto teme é hora de reconhecer a derrota, eu te imploro, o que farei se algo te acontecer.
      __ Eu sou Sir Cristopher e nada vai me acontecer, nunca perdi uma guerra, hoje perdi uma batalha mas a guerra ainda não. E pare de ficar me agourando... este... ombro... vou parar de falar... tenho que guardar energia... humm...
      A trombeta soa é o chamado.
      __ Vamos me ajude a levantar a lança.
      Ele vira o cavalo a muito custo consegue comandá-lo, agora espera o segundo toque, escuta o som muito baixo, com o calcanhar faz com que seu cavalo comece a corrida até seu oponente, são segundos que se transformam em longos minutos. De repente um silêncio cortante na arena, o grande campeão de todos os tempos estava no chão sem movimento, só os olhos vidrados pela única derrota que conhecera.


Alexandre Brussolo (10/02/2009)


TEXTO: 175
 
09/02/2009 20:04:24 :: AMARILIS PAZINI AIRES
PIANO

Tão forte e imponente
este instrumento vital
é tão importante
um piano, não tem nada igual.

Seu cordoamento entrelaçado
tem função principal
sua caixa amadeirada
abraça a cadencia ritmal.

Seus pedais abrem o som
das teclas em harmonia
com meus dedos ligeiros
componho a melodia

Pode ser de armário
cauda meia ou inteira
não importa o tamanho
só o prazer de quem semeia.

A cada nota em sequência
a música a vibrar
os acordes se encaixam
das duas mãos a tocar

Autoria : Amarilis Pazini Aires
 
09/02/2009 15:29:30 :: RITA GARZI
 MEU ULTIMO DESEJO


No    silêncio sonharei um dia ainda ser feliz, nesse sonho, quero dar gargalhadas, rir, apenas não basta.
Quero visitar grandes campos, deitar na grama olhar para o céu e falar com Deus, também quero visitar o mar, apenas dizer oi, pois sei que ele não gosta de visitas, fica agitado, e começa pedir ao sol para nos queimar. Não que ele seja ruim, é que o mar é só poesia...
Quero esperar visitas, com, uma mesa grande, posta, com pratos lindos, e taças de cristais, quero que todos falem riam    alto, e que alguém derrame o suco na mesa para rirmos todos juntos, quero uma janela em meu quarto, direcionada para onde eu possa ver o céu, quero uma cadeira, grande e confortável, é assim que desejo morrer, em meios pensamentos, falando com Jesus, e ouvindo uma faixa numero um do disco out. of. África.
Quero que a morte, seja gentil comigo, e fale devagar que vou morrer, não quero que traga sua foice simbólica,que apenas diga vim te buscar,e que gentilmente me conduza.Aos que ficam quero imaginar que seja um dia triste,pois o mundo sem mim será diferente.
Peço a gentileza da morte, porque as pessoas aqui nesse mundo não foram muito gentis comigo, então nem pensar numa morte avassaladora. Finalmente se tudo de certo, terei brilhos, estrelas, voltarei de onde vim, não chorarei mais, não haverá falsidade, nem perdas, nem abandonos, terei outro nome, e outra chance de ser feliz.


                                                                                                RITA GARZI





 
09/02/2009 03:05:55 :: RAFAEL MATOS


Tempo (poesia)

Tempo que passa rápido,
Tempo que passa voando,
Hora que passa clamando,
Clamando por um mundo mais humano.

Anos se passam,
E cada vez mais a natureza pede socorro...
Contra tanta injustiça consigo mesma,
Que não cessa nunca.

Meses de muita miséria,
De muita fome, que se passam sem que ninguém...
Faça absolutamente nada.

Dias violentos, que fazem as pessoas se retraírem...
Dentro de suas casas,
Onde já se viu isso?
Que absurdo!
 

Lomadee, uma nova espécie na web. A maior plataforma de afiliados da América Latina.