Espaço Literário

O Melhor da Web

 


Sua contribuição é muito importante!
Peço que as poesias tenham a autorização e/ou respeite o crédito do autor.

Se algum texto violar essa regra ou se o autor pedir para retirar, este será deletado de nosso banco de dados.
Qualquer abuso favor entrar em contato e comunicar o fato.
Desde já agradeço!
Cláudio Joaquim


Principal >> Mural INCLUIR TEXTO NO MURAL
21/02/2009 16:22:22 :: FER FONTES(Cöllyßry)


"Não te embebedes na fantasia de cor e ritmo

Porque…

Te irás naufragar nas ondas do irreal".



Fer Fontes
 
20/02/2009 18:23:42 :: SONINHA POETISA


AMOR PLATÔNICO

Bastou um olhar... Logo me apaixonei...
Está atração que não passa de um amor platônico...
E sabemos que nunca poderá chegar há lugar nenhum...
Um amor, que o mar separa... A realidade está longe de nós dois...
Sem cobranças... Sem apego... Sem sofrimento...
Mesmo que o nosso coração, venha a sofrer de amor...
Nada poderá ser feito...
Somos diferentes... Com pensamentos e sonhos diferentes...
Este desejo, esta fascinação, está ansiedade de estar o tempo todo com você...
Não tem jeito... Nunca poderemos concretizar este amor...
Preciso do seu amor... Mas sei que nada posso pedir.
E começo a perceber que já sofro por você...
E tudo, que eu não queria... Era sofrer por amor...

Autora Sonia Dias Freitas


Soninha Poetisa
 
18/02/2009 20:03:20 :: JOSÉ HORTENCIO S. ALBUQUERQUE


                           O AMOR NÃO NASCE DO ACASO


O amor não nasce do acaso,
Mesmo que em tão curto prazo
De comunicação constante,
Talvez por estar distante
Eu não soube cultivá-lo,
Isso me fez um Vassalo
Do meu próprio sentimento,
E não tenho mais talento
Pra conquistar meu topázio.

Busco no meu consciente
Algo que me represente
Diante a tua nobreza,
E vejo um órgão ofegante
Que com batidas distante
Revela minha tristeza.

E essa minha expiação
Que trago no coração
Tanto mal já tem me feito,
Até me sinto culpado
Por tanto eu ter amado
Sem saber o seu conceito.

Da minha felicidade
Eu sei que tens a metade,
Por que eu a dividi,
E se quiseres somar,
É fácil me encontrar,
Por que estarei aqui.

Não demore muito tempo,
Por que a chuva e o vento
Corroem até metais,
E se demorares tanto
Talvez que nesse recanto
Tu não me encontres mais.
                             

José Hortencio da Silveira Albuquerque
 
18/02/2009 13:10:04 :: MARCIO COSTA
A janela

A janela do terceiro andar,
reflete a luz do luar,
e o ar de boas vindas,
trazido de outro lugar.

Deixe essa janela aberta,
para passar por ela os pensamentos,
que vão além do horizonte,
até voltarem pra cá.

A janela mostra o reflexo da alma,
o desconexo imantado,
um complexo vitamínico,
uma mistura dos sexos,
a união desses versos.

Foi à janela que vi aquele pôr do sol,
no céu as cores mais belas do que qualquer quadro já pintado.
Debruçado com os braços sobre ela, me sentia seguro.

Foi à janela que passei muitas tardes,
observando a rotina cotidiana dos que não me viam,
observando o ir e vir dos que passavam.

Nas noites de insônia ali fiz o meu refúgio,
criei um mundo que podia viver em paz.
Em volta de mim a janela era um escudo protetor,
protegia das angústias e da dor.
Foi à janela que conheci o meu amor.
 
17/02/2009 10:06:41 :: Godinho@Godinho


DEGRADAÇÃO DA ESPÉCIE

O mar engole aos milhares
Aviões explodem nos ares
Mosquitos são malditos
Levam doenças aos lares

Pedras que viram água
Águas que viram pedra
Homem perdendo o valor
Sangue virando moeda

Ventos,sol,tempestades
Vem e arrasam cidades
Crianças nascem sem tempo
Velhos encurtam a idade

Toda a água do planeta
Já está comprometida
O ódio excita a violência
Falência múltipla da vida

Vidas que pedem comida
Respiram se contaminando
Assistem a despedida
O sopro da vida acabando

A lua rejeita a visita
O sol queima e envelhece
O mar a ressaca vomita
Terremotos a terra extremesse

O vento trás o tormento
O ar corroe,apodrece
A terra berço das sementes
Sepulta suas espécies

O homem maior culpado
Insiste acabar com a terra
A ira inspirou a violência
A ganância gerou a guerra

Tudo isso é um alerta
Para a degradação da espécie
Tudo foi Deus quem criou
Pena que o homem esquece

Mas ainda não é o fim
Deus renova o que consomem
A criança que nasce é a prova
Que ainda há esperanças no homem

by:Godinho@Godinho



 
16/02/2009 12:46:02 :: RAFAEL MATOS


Realidade exposta IV (poesia)

Semente da esperança que brota no coração de uma jovem
Que avista do alto do morro a cidade lá embaixo.
Cidade, que ao mesmo tempo, tão perto, está tão longe.
Longe por conta do preconceito,
Longe por causa da discriminação,
Longe devido ao esquecimento,
Longe em decorrência da corrupção imperante.

Logicamente que a favela é o local do crime organizado e das drogas,
Mas também não é somente isto que existe.
Existem sim, também, pessoas inocentes que vivem com medo e acoadas,
Sentindo-se desprotegidas constantemente,
Entregues aos bandidos diante de uma situação
Que pode ser considerada uma guerra civil,
Afinal, causa mais mortes do que uma guerra propriamente dita.

O Estado cada vez mostra-se mais enfraquecido,
Não conseguindo conter o poder dos bandidos,
Poder que ultrapassa os limites da favela,
Chegando até a cidade, dominando-a também.
E tudo isto é o puro resultado de uma legislação
extremamente fraca,
que é conivente com a impunidade.

Não é nada disso que os moradores da favela desejam.
A esperança deles é que possam ter dignidade e paz, acima de tudo,
para viverem uma realidade diferente e mais tranqüila.
Será que irão conseguir isto algum dia?
 
15/02/2009 23:24:18 :: Godinho@Godinho


SEUS OLHOS VERDES...

Seus olhos verdes inspiram sonhos,poesias e canções...
Revelam os segredos da alma,guardados nos corações...

Iluminam estradas,descobrem as fontes do pensamento...
Trazem alegria,à alma vazia,trazem alento...

Verde oceano, visto de um plano, é a imagem sua...
Verde é a miragem,visto em paisagens,contraste da lua...

Estrelas brilhantes,que se desprenderam,lá do firmamento...
Hoje são importantes,tens em seu semblante o mais nobre aposento...

Verde relva,verde escuro,que me arremete ao futuro,faz sonhar com esse amor...
Verde nobre da esperança,das folhas que o vento balança,do caule que sustenta a flor...

Olhos que me vêem confuso,sua beleza e conteúdo,me completa me esvazia...
Dá motivos pra viver,vivo pensando em você,és encanto,poesia...

São faróis em meu caminho,que encontram me sozinho,em algum lugar    qualquer...
Que expõem meus sentimentos e me vêem chorar por dentro,por alguém que não me quer...

São luzes fluorescentes,que iluminam o meu caminho e faz brilhar essa mulher...
És a estrela cadente,olhos verdes inocentes,que não sabem o que quer...

Lêem os meus pensamentos,sencíveis me vêem por dentro,mas se afastam e vão embora...
Enquanto meu coração não contendo a emoção,se reprime,sofre e chora...

Quizeras tu,olhos verdes,ter coração sem paredes,para eu,não precisar transpôr...
São paredes de incerteza,que lhe ofusca a beleza e não aceita outro amor...

Luzes verdes irradiantes,que me cegam por um instante e me tiram do caminho...
Me descobrem no inconstante e me vêem andando errante,sem rumo e tão sozinho..

Olhos verde é esperança,sei que ainda me balanças,pois adoro sua côr...
Que num dia de incerteza,me brindou com sua beleza e fez sonhar com esse amor...

Verde encanto,verde vida,chegada e despedida,sonho que sonhei um dia...
Que me passou confiança,sorrí feito criança,nem eu mesmo entendia...

Esses seus olhos verdes,que quase todas as noites,sempre vêem me visitar...
São olhos que me fascinam,palavras que me animam,e que me fazem sonhar...

Venha me ver todo dia,vem me fazer companhia,não tente me esquecer...
Hoje não tenho alegria e só serei felíz um dia...No dia que te conhecer...


by:Godinho@Godinho
www.poesias.omelhordaweb.com.br

*Este texto foi inspirado em minha amiga internauta Caudia
 
15/02/2009 21:07:04 :: AMARILIS PAZINI AIRES


AO SOM DE UM SAX

Entranhas apertadas
ao som de um sax
percorro espaços imaginários
desejando o momento sonhado


Sinto um eco no imenso vazio
busco o fio da meada
que obscurecido se encontra
no voar dos véus
de um tempo remoto
que tento descobrir,
mas que flutua
ao som de um sax.

Eu sinto e tento alcançar,
mas é tudo tão fisico
como a melodia em notas escritas
entoando...
ao som de um sax.

O completo se esconde no etéreo
posso sentir mas não alcançar,
o fisico impede a sublimação,
mesmo ao som de um sax.

Instrumento que me eleva
ao entoar a perfeita melodia
desprendo-me da matéria
e flutuo ao som de um sax.

AMARILIS PAZINI AIRES
15/02/09
 
15/02/2009 18:34:11 :: ELZA FRAGA


CHEIRO DE TEMPO
(Elza Fraga)

Tempo esquisito
que desembesta
e corre
feito mosquito
zunindo no ouvido

enquanto o sonho
morre
no passado

e a vida fica
com cheiro de mofado

(postado em http://tempoinverso.blogspot.com/)
.
 
15/02/2009 14:20:40 :: Godinho@Godinho


ESTAÇÃO PRIMAVERA

Na beleza da menina,
Da mulher,da idosa
Tem uma alma feminina,
Que é um encanto,és formosa...

Nascem,crescem e florescem,
São cheirosas,todas prosas,
Fragrâncias às enaltecem,
Se parecem com as rosas...

Seus perfumes,suas cores,
À diferem de outras flores,
Seus ciúmes,seus espinhos,
Ferem sempre com jeitinho,
Seus amores...

A mulher e a rosa,
Nasceram para encantar,
Uma enfeita o meu jardim,
A outra me faz sonhar...

Algumas tem o ciclo de vida,
Até o desabrochar,
Murcham se em seguida,
Deixam o perfume no ar...

Vão para outro jardim,
Outro canto,outro lugar,
Colorir,perfumar,enfim,
Um novo amor encantar...

Ficarão nos meus sonhos,
Suas pétalas,suas cores,
Ficarão nas lembranças,
Seus beijos,seus sabores...

Ficarão na saudade,
Revê-las,quem me dera,
Em algum lugar da cidade,
Ou na estação primavera...

by Godinho@Godinho
 

Lomadee, uma nova espécie na web. A maior plataforma de afiliados da América Latina.