Espaço Literário

O Melhor da Web

 


Sua contribuição é muito importante!
Peço que as poesias tenham a autorização e/ou respeite o crédito do autor.

Se algum texto violar essa regra ou se o autor pedir para retirar, este será deletado de nosso banco de dados.
Qualquer abuso favor entrar em contato e comunicar o fato.
Desde já agradeço!
Cláudio Joaquim


Principal >> Mural INCLUIR TEXTO NO MURAL
24/02/2009 10:49:02 :: AMARILIS PAZINI AIRES


ENTRELINHAS DO MEU TEMPO

OLHEI PARA TI, EM TEUS OLHOS ME PERDI,
TRÊMULA FIQUEI, GRANDE EMOÇÃO SENTI.

COMO UM DEUS SE COLOCOU,
FORMOSO E ENCANTADOR,
REVOLVEU AS MINHAS CÉLULAS,
MEU CORPO AGITOU.

FUI ME TRANSPORTANDO
MEUS PÉS SE ELEVANDO,
ME PERDENDO NOS TEUS OLHOS
ASSIM FIQUEI PAIRANDO.

EMOÇÕES SE ENCONTRANDO
EM CHOQUES SE TRANSFORMANDO,
FAÍSCAS DE AMOR SE ENTRELAÇANDO,
COMO NUVENS, NOS OFUSCANDO.

VOCE SORRIU E ME ENLAÇOU
ME CARREGOU E VIAJOU
NAS ENTRELINHAS DO MEU TEMPO
NAS ONDAS DO MEU PENSAMENTO.

AMARILIS PAZINI AIRES
 
24/02/2009 10:15:47 :: RICARDO DE BENEDICTIS
ANTOLOGIA 10ª EDIÇÃO - AVISO DE ÚLTIMAS VAGAS

TEMOS POUCAS VAGAS PARA POETAS. O LANÇAMENTO DA ANTOLOGIA ACONTECERÁ NA 9ª BIENAL DO LIVRO DA BAHIA. FAÇA SUA INSCRIÇÃO E TENHA SUA POESIA DIVULGADA NA MÍDIA.

INFORMAÇÕES PELO E-MAIL mrbenedictis@yahoo.com.br.

 
24/02/2009 10:15:36 :: RICARDO DE BENEDICTIS
ANTOLOGIA 10ª EDIÇÃO - AVISO DE ÚLTIMAS VAGAS

TEMOS POUCAS VAGAS PARA POETAS. O LANÇAMENTO DA ANTOLOGIA ACONTECERÁ NA 9ª BIENAL DO LIVRO DA BAHIA. FAÇA SUA INSCRIÇÃO E TENHA SUA POESIA DIVULGADA NA MÍDIA.

INFORMAÇÕES PELO E-MAIL mrbenedictis@yahoo.com.br.

 
24/02/2009 10:15:30 :: RICARDO DE BENEDICTIS
ANTOLOGIA 10ª EDIÇÃO - AVISO DE ÚLTIMAS VAGAS

TEMOS POUCAS VAGAS PARA POETAS. O LANÇAMENTO DA ANTOLOGIA ACONTECERÁ NA 9ª BIENAL DO LIVRO DA BAHIA. FAÇA SUA INSCRIÇÃO E TENHA SUA POESIA DIVULGADA NA MÍDIA.

INFORMAÇÕES PELO E-MAIL mrbenedictis@yahoo.com.br.

 
23/02/2009 23:35:40 :: ANDRÉ SESTI DIEFENBACH


Convido a todos para acessarem o blog www.blogopoeta.blogspot.com
Fraternal abraço!
 
23/02/2009 19:36:45 :: CRISTINA FIGUEIRA


MULTIFACES

   Me diz

Quem é o moço

Que fala de amor

Que usa tantos nomes

E diz falsas verdades.

Seria um poeta? Ator?

Um escritor?

Ou um ser enjaulado,

Na sua identidade?

Moço de finos e envolventes modos,

Dotado de poesias, sutilezas e canções.

Aquece minha alma com palavras suas

E sem que se perceba rouba as atenções.

Mas este mesmo moço esquece seus valores

E sabe ser injusto, maldoso e cruel.

Mascara os seus erros, as falhas dos seus atos.

Indiferente, imputa-nos a culpa e a dor.

Quem conhece este homem?

Quantas faces ele tem?

Não sabe a quem ama.

Não é feliz também.

15/02/09

   Lu@
 
23/02/2009 17:31:46 :: FER FONTES(Cöllyßry)



De que serve o sorriso
Franco e doce dos
Meus lábios…
A lágrima vertida
Na ternura do olhar…

O tempo passa
O círculo se fecha
Nele encera os momentos
Não doados!

O sentimento que
Guardas em ti …
No silêncio, que invade
Em conflito, longe
Naufraga…

Desola-me a distância
Que fica entre mim
E ti, nessa magoa sem fim…

A flor esperada
Mesmo sem gota de
Orvalho,

Não ofertada…


Fer Fontes

  
 
23/02/2009 17:18:14 :: FER FONTES(Cöllyßry)


Ouvem-se o rufar dos tambores ao longe

A cada dia se aproxima mais o clímax do exagero

Chamado “carnaval”…

Gasta-se o que não se tem,

Mas...

Omais importante é o embebedar na fantasia

E o atulhar no faz de conta…


Fer Fontes
 
23/02/2009 08:18:12 :: ANTÓNIA RUIVO


Cala-te palavra
Que a boca amordaça
Não vês que não tem graça
Tanto alarido por nada
Palavra feita lavra.

Palavra conta
Mil contos de encantar
De criança bem fadada
Como flor que desponta
Por entre terra lavrada.

Grita palavra de fé
Sonora, abençoada
Amada, venerada
Ás vezes esconde o que é
Uma causa perdida, nada.

Sussurra palavra amor
Hora morta na madrugada
Junto ao peito da amada
Floresce em tal esplendor
Que precisa ser regada.

Chegas-te palavra morte
Assim sem dizer nada
A vida está acabada
Cada um com sua sorte
Triste vida malfadada.

Restou a palavra saudade
Nesta mente baralhada
De palavra arrastada
Em rimas de enfermidade
Saudade minha aliada

 
22/02/2009 02:19:50 :: RAFAEL MATOS


Nossa Amazônia (soneto)

Anoitece na floresta amazônica,
Quando tudo parece tranqüilo,
Percebe-se uma fumaça negra
Subindo e se espalhando.

Não se sabe qual a causa dessa fumaça,
Mas suspeita-se que seja uma queimada criminosa,
Como tantas que acontecem
Por causa do maldito dinheiro.

O homem está perdendo a sua consciência,
Não vê que a Amazônia está morrendo aos poucos,
Isso não é brincadeira.

Só o Brasil tem uma floresta desse porte,
Só o Brasil tem essa diversidade e riqueza.
A Amazônia não pode se transformar em deserto.
 

Lomadee, uma nova espécie na web. A maior plataforma de afiliados da América Latina.