Espaço Literário

O Melhor da Web

 


Sua contribuição é muito importante!
Peço que as poesias tenham a autorização e/ou respeite o crédito do autor.

Se algum texto violar essa regra ou se o autor pedir para retirar, este será deletado de nosso banco de dados.
Qualquer abuso favor entrar em contato e comunicar o fato.
Desde já agradeço!
Cláudio Joaquim


Principal >> Mural INCLUIR TEXTO NO MURAL
24/06/2012 00:38:07 :: LEOMÁRIA MENDES SOBRINHO


LUZ MÃE NATUREZA

Luz que clareia os meus olhos.
Desbrava as trevas.
Caminho que abre-se em atalhos.
Unindo dois tempos em selvas.

Luz que viaja no tempo.
Alcançando o infinito.
Que vence o obstáculo pelo vento.
Arredio e travesso: - Bendito!

Luz que transforma a alma.
Das cores em tons.
Essência que dá beleza à água.
É timbre aos sons.

Luz que é divina em clareza.
É de extrema grandeza.
E nos doa a riqueza.
Da nossa mãe natureza.

Autora: Leomária Mendes Sobrinho
23/06/2012


 
23/06/2012 22:48:08 :: SERGIO DE SERSANK



DE AVÔ PARA OS NETINHOS

No princípio, apenas Deus,
nada mais, mais nada havia.
Na eternidade do espaço
o tempo não transcorria.
De nada valia o espaço.
De nada o tempo valia.

Deus – o Supremo Senhor
do tempo - todo esse espaço
desde sempre percorria.
Sonhava um novo universo
que outro antes deste, por certo,
pleno de luzes teria.

A vida – esse dom sublime –
por Ele e n’Ele vibrava,
dava ao Nada algum sentido.
Fazia lembrar um quadro
distante das mãos do artista
e ainda descolorido.

Pois que a noite dominava,
até que o bom Deus com arte,
amor e    sabedoria,
fez eclodir de entre as trevas
esplêndido sol, gigante,
ao qual chamou “Luz do dia”.

Surgiu, assim, a matéria,
como a lava incandescente
no interior de um vulcão.
Estrondo intenso deu corda
ao tempo – o relógio eterno.
E o espaço ocupou-se, então.

Novas estrelas e mundos
e, dentre eles, o nosso
recebem a luz da vida.
Pródiga, a natureza
faz da Terra a jóia ímpar
que Deus, o Ourives, lapida.

E sem que saibamos como,
nem para que, nem por que
chegamos e    d’onde viemos,
ao escrever nossa história,
outros pequeninos deuses
orgulhosos nos fizemos.

O belo planeta azul
é o lar-escola que herdamos.
Malgrado sofra os reveses
do homem dominador,
devemos confiar, crianças,
que nos governa o Senhor.

(Da coletânea de Sergio de Sersank)

Visite o blog "Estado de Espírito" -
http://sersank.blogspot.com


 
22/06/2012 12:43:15 :: LUIZ CARLOS DE OLIVEIRA
A DOR DA PERDA

Num dos quartos do Pronto Atendimento
Adentra a mãe com a filha prematura,
Não desfeito o rigor da noite escura
E o galo nem cantava no momento...

Nenhum repórter dava cobertura:
Era só mais um rotineiro evento...
Logo o médico atesta o passamento
E manda agilizar a sepultura.

Quem visse a mãe naquele instante exato,
Saberia que a dor, no anonimato,
É um monstro de poder escomunal

Que silencia o grito na garganta
E do olhar o estupor mais agiganta,
Como se dela fosse o funeral!   
 
20/06/2012 14:28:31 :: J. BARBOSA
Uma Palavra Para Abençoar a Sua Vida,
"No Caminho do Gólgota"
J.Barbosa, seu comentário é bem vindo!
 
18/06/2012 20:08:46 :: ALAECE NUNES DA SILVA


            SABER, É VIVER A VIDA COMO ELA É

   Nada sei nem de onde vim ,nem pra onde vou.
Homem cheio de sonho, homem com muito amor.
Homem que já chorou, homem que já sorrio,
homem que já amou.
      A vida é muito boa, boa pra si viver,
o melhor é quando se sabe, o quanto é bom viver.
viver com alegria, com amor e com carinho.
Sou um amante da vida, da minha linda princesa ,
que coloquei sobre a mesa uma linda flor pra cheirar.
Só sei que isso é vida, Amar a pessoa querida e poder desfrutar,
   do fruto do juar em cima do juazeiro.
So sei que isso é bom, sentar e conversar, ouvindo uma musica alegre,
alegrando o coração,
oh como isso é bom.








Laecio nunes
 
10/06/2012 09:38:19 :: SU AQUINO


https://clubedeautores.com.br/book/130203--CACOS
 
05/06/2012 15:38:28 :: JOSE MAURO CANDIDO MENDES
 
04/06/2012 10:55:40 :: LUIZ CARLOS DE OLIVEIRA


SOLIDÃO

Pedra em forma de grito,
que silencia
na turbulência vaga...

Eco perdido nas horas
que sangram...

Sombra refletida na alma.

Dor profunda.

Fuga no apalpar,
desolação no sentir,
inquietude.

Da vasta impressão,
o nada,
ante a imensidade sem resposta...

Vazio.
 
04/06/2012 05:43:20 :: AGOSTINHO M. DA COSTA
Em quatro de junho de 12 -5:34 - segunda-feira – Publicar.
Saudades
Loucas tentações
O querer das ilusões
Em beijos carentes,
Indecentes nos seios,
Meu bem!
Onde andará o meu amor
Onde anda você
Que não vem
Matar essas saudades
Que me deixa louco
Querendo você...

Nota: Não consigo colocar meus textos que dá invalidação do código.
 
29/05/2012 19:41:36 :: LUIZ RAVEL
amigo poeta!quem se interessar em musicar seus poemas,eu faço a melodia e coloco minha vóz com arranjo,cifro a musica e envio um play back para a propria pessoa ou quem queira por a vóz em cima,vou deixar uma cifre de exemplo aqui.
quem se interessar fazer contacto com o e-mail luizneneka@hotmail.com

Ela não veio                Autor:    Luiz Ravel dos Santos                      Tom:    A

Introdução -          A,       D,       E,       Dbm,       Gbm,       D,       E,       A;       E
                        A                                           Bm
Mais uma vez, te esperei em vão
               E                                           Dbm       D                      E                   A
Disparado esta meu coração, aqui nessa mesa de bar
                                                   Bm
Dois copos sobre a mesa
                           E                         Dbm       D                   E                A
Nos meus olhos a tristeza, e nada de você chegar.
                                          Bm
A cerveja esquentando
                              E                   Dbm             D                      E                   A
Por dentro estou chorando, a falta que você me faz
                                                   Bm
O musico já se recolheu
                  E                      Dbm          D                   E                      A          A7
E você não apareceu, pra devolver a minha paz.
                                             D                E
Já vão fechar o boteco
                                       Dbm          D                E                      A             A7
E eu enchi o caneco, e nem sei pra onde vou
                                                   D                E
Peço a conta ao garçom
                                                Dbm          D          E                   A          A7
Eu não estou nada bom, embriagado já estou.
                                                      D                                                          E
Sinto vontade de dormir sobre essa mesa                                                             (    Refrão )
                                             Dbm                         D                         E                                     A          A7
Apagar do peito essa tristeza, e sonhar contigo um sonho bom
                                 D                                           E
Garçom me leve até o carro
                              Dbm                      D                         E                A
Pode rir estou um sarro, coisas do meu coração.
                                                      D                                     E
Mais uma noite que ela não veio
                                                Dbm                         D                            E                            A          A7
Me sinto um burro com arreio, carregando o peso desse amor
                                                   D                         E
Aqui nunca mais eu voltarei
                                          Dbm                      D                            E                      A
Esse dia jamais esquecerei, pode jogar no lixo essa flor.

Introdução -          A,       D,       E,       Dbm,       Gbm,       D,       E,       A;       E

                                                                     Refrão.
 

Lomadee, uma nova espécie na web. A maior plataforma de afiliados da América Latina.