Espaço Literário

O Melhor da Web

 


Sua contribuição é muito importante!
Peço que as poesias tenham a autorização e/ou respeite o crédito do autor.

Se algum texto violar essa regra ou se o autor pedir para retirar, este será deletado de nosso banco de dados.
Qualquer abuso favor entrar em contato e comunicar o fato.
Desde já agradeço!
Cláudio Joaquim


Principal >> Mural INCLUIR TEXTO NO MURAL
18/05/2009 14:48:09 :: GORETTI ALBUQUERQUE


A MADRINHA “GERALDINHA”

De você, minha madrinha.
Guardo bastantes lembranças
Desde os tempos de criança
Com minha mãe sempre eu ia
Em sua casa acolhedora
Cheia de amor e alegria.

Seus filhos ainda pequenos
E seu esposo amoroso
Acolhia quem passava
Desde o mendigo ao vaqueiro
Doces, licor cajuína.
Serviam ao forasteiro.

Aprendi a te amar
Quando ainda era a magrela
Sempre o amor me puxava
Pra aquela casa singela
Tinham mais casas ao redor
Mais de todas, era a mais bela!

Hoje voltei ao lugar
Que guardei no coração
Encontrei você “Madrinha”
Com carinho e emoção
Com tantas lutas e sofrer
Teu viver é uma canção.

Eu sei “Querida Madrinha”
Um pouco de o teu sofrer
Por uma fatalidade
Encontraste o padecer
Gente ruim e maldosa
Mexeram com o teu viver.

Mais o “Deus Onipotente”
Nunca se esquece de ti
Deu-te filhos valorosos
Todos muitos corajosos
São anjos que “Deus” te deu
Protegem-te e são zelosos.

Minha Madrinha Querida
Teu nome é “Geraldinha”.
Como as estrelas no Céu
Deus te conhece por nome
Em uma Pia Batismal
Deu-te teu nome, Madrinha.

Em qualquer lugar do mundo
Vou me lembrar de você
Da casa feliz e cheia
Onde a família unida
Amam-te que nem Rainha
Eu também, minha    “madrinha!


MARIA GORETTI ALBUQUERQUE.

 
18/05/2009 02:05:45 :: RAFAEL MATOS


Cotidiano (poesia - social)

Período de chuvas nas grandes cidades brasileiras.
me pego pensando nas pessoas que vivem em condições precárias.

Nas pessoas que moram em áreas de risco e nas favelas,
espalhadas por essas cidades,
elas já se acostumaram a ver seus sonhos,
construídos com tanta luta,
irem embora rapidamente, tão rápido, que são obrigadas a ficar imóveis,
assistindo aquela cena lastimável.

Em um momento desses, não tem como conter o sentimento de tristeza e decepção,
as lágrimas brotam no rosto como a enxurrada que acabou com o sonho desses esquecidos.
 
17/05/2009 22:33:41 :: WILSON CARLOS ROBERTO


Palavras.


Vim aqui para aprender
a magia de poetar.
O bailado das palavras
é o meu eterno amar.
 
17/05/2009 17:25:43 :: GORETTI ALBUQUERQUE


Amantes do “CAIS."

Soam melodias
Seus versos no “Cais”
Um querer que um dia
Torcido em cizáis,
Funde-se em centelhas
Estrela Grandeza!

No brilho da Lua
Nas ondas do Mar
Juras perpetuam
Num canto de Amar
Dois corpos em um
De jeito incomum.

Redundam no espaço
Gracejos constantes
Suas mãos em traços
Poemas de Amantes
Compondo “Brilhantes”
De forma ofuscante.

Dois “Seres” gestando
Emoções sem par
Versejam gritando
Seu jeito de amar,
São “Luxo e Beleza”
Com tal Realeza.

O Céu é o limite
O amor te permite
Busca tua amada
Menina lembrada
Já todos se foram
Restam dois amores.

O Lírio não SABE?
A Flor diz que SABE
Na linda querência
São Por Eminência
Partículas de vidas
Em glórias sentidas.

Tamanha ousadia
E simplicidade
Na simples poesia
Exponho Humildade.
Casal “Mais Além”
Saúdo-vos com “AMÉM”
No “CÁIS” da verdade.

Goretti Albuquerque.
 
17/05/2009 17:19:54 :: GORETTI ALBUQUERQUE


A Árvore Centenária.

Tamarineiro velhinho
Sabes tudo do meu Ser
Desde ainda pequenina
Sonhava um dia eu poder
Subir lá bem nas pontinhas
Dos galhos e os frutos comer.

Crescendo sempre a seu lado
Eu contemplava a beleza
Os sussurros dos amados
Juras de amor com certeza.
Tua copa era o bailado
Mais belo da Natureza.

Com folhas bem pequeninas
De tronco resplendoroso
Os frutos ainda azedinhos
Era um banquete gostoso.
Quando chegava a noitinha
Era um tremendo alvoroço.

Sendo a árvore do amor
Por abrigar os casais
Quanta lágrima de dor
Ou términos de amor fatais.
Muita lembrança guardou
Carinhos bem sensuais.

Na praça central estás
Fraquinho já Centenário
Mais como eu segue atrás
De alguém que se compraz
Dando vida a pouca vida
Abraços de amor e paz.

Bem sei meu Tamarineiro
Sentes falta do carinho
Da festa do Padroeiro
Tantos fiéis a caminho
Tu és o lindo sombreiro
Um beijo! “TAMARINEIRO!”

Goretti Albuquerque.


 
17/05/2009 14:24:40 :: MAYKON ALVES LOPES
Ola usuario desse espaço literário, acabei de publicar um texto meu espero que gostem, se tiverem gostado recomendo que leiam os outros que eu publique no www.recantodasletras.com.br outro ótimo site para divulgação de textos. um grande abraço a todos.
 
17/05/2009 11:25:23 :: GORETTI ALBUQUERQUE


Anjinho Imortal

Menino de Rua
Anjo em pele Nua
Nos guetos sem Lua
Tua vida é tão Crua.

Logo de pequeno
Conheceste a dor
Provaste o veneno
Sonhavas com o amor.

Teus olhos opacos
Dizem tua História
Dores em seus passos
E em sua memória.

Vives o abandono
De uma guerra fria
Nem vês o outono
A névoa é teu dia.

Inocência de sonhos
Roubaram ao nascer
Vagueias tristonho
Face do “Sofrer! ’

Cama de cimento
Coberto em jornal
Teu pão bolorento
Sustento imoral
No Céu tens alento
Anjinho Imortal!

Goretti Albuquerque.


 
17/05/2009 11:21:48 :: PAOLA RHODEN


Cartas marcadas

C ada um tem varias delas.
A s    mais altas podem ganhar
R evendo certos conceitos
T ão logo se possa ousar.
A lgumas trazem vitórias
S ão fortes, queremos ver.

M as se podemos vê-las
A sorte pode mudar.
R evendo nossas estórias,
C autela devemos ter, porque
A s marcas podem deixar,
D urante o jogo da vida
A parecem, certas horas,
S empre de forma dorida.

 
17/05/2009 02:34:50 :: GORETTI ALBUQUERQUE


Amor dos Versinhos.

Por todo caminho
Do chão que eu pisar
Sempre com carinho
Hei de te levar.

Amor dos Versinhos
Jurei me guardar
Tens o meu lencinho
Que me viu chorar.

Esse sentimento
É tão teu e meu
Nem por um momento
Nenhum esqueceu.

É nosso destino
Amor de loucuras
Amor de menino
Cheirando a doçura.

Amamos a brisa
Sentindo o luar
Nosso corpo avisa
A hora de amar.

Tocas-me tão louco
Quando é possível
Suprimos um pouco
Do amor impossível.

O coração ama e ama...
Não dita regras nem posturas
Assim nos doamos em chamas
Aqui e em vidas futuras.

Meu anjo que hoje amei
Que outrora me desgarrei
Agora junto a ti meu amor! Seguirei.

Goretti Albuquerque.


 
17/05/2009 01:38:29 :: GORETTI ALBUQUERQUE


Um jeito Dengoso.

Hoje Chegaste...

Mais silencioso
Com cheiro gostoso
Um jeito fogoso
Com olhar dengoso
Um andar malicioso.

Mais ao amanhecer...

Deixaste-me em pranto
Sem teu acalanto
Sofro os desencantos.

Voltas eu te preciso...

Estou sensível a te esperar
Em meus olhos lágrimas a rolar
São tuas minhas loucas formas de amar
Minhas mãos precisam te acariciar
Transporta minh’alma quero te gestar.

Meu único desejo
Meu viril mancebo
No ventre eu concebo
Meu anjo Soberbo
Meu vinho que bebo.

Goretti Albuquerque.
 

Lomadee, uma nova espécie na web. A maior plataforma de afiliados da América Latina.