Espaço Literário

O Melhor da Web

 


Sua contribuição é muito importante!
Peço que as poesias tenham a autorização e/ou respeite o crédito do autor.

Se algum texto violar essa regra ou se o autor pedir para retirar, este será deletado de nosso banco de dados.
Qualquer abuso favor entrar em contato e comunicar o fato.
Desde já agradeço!
Cláudio Joaquim


Principal >> Mural INCLUIR TEXTO NO MURAL
08/06/2009 21:29:35 :: GORETTI ALBUQUERQUE



Extraído de mim.

Sou consciente
Bem persistente
Vou sempre em frente
Vivo o presente
Sou luz freqüente
Intermitente.

Saio na rua
Entro na sua
Insana e nua
Alguém me autua.
Olho pra lua
Tão minha e tua.

Sou meu extrato
De fino trato
Sigo com tato
Mais sem recato,
Sou meu recado
Em desacato.

Lá da pobreza
Ganhei riqueza
Trouxe nobreza
Na singeleza
Trago beleza
Junto à franqueza.

Tal passarinho
Faço meu ninho
Devagarzinho
Vou com carinho
Pro meu cantinho
Feito um colinho.

Goretti Albuquerque.
 
08/06/2009 14:57:56 :: MELL GLITTER


ESCANDALOSAMENTE FELIZ

Não interprete-me mal
por essa minha vontade de viver a vida intensamente!
Mas é que nasci com essa gula de ser feliz
e esse meu desatino, é felicidade somente!

Eu sei que as vezes exagero e
acabo metendo os pés pelas mãos com minhas bobeiras...
Mas é esse vício de amar demais
que me sabota e me faz perder as estribeiras!

É complicado, eu sei,
mas esse meu jeito de ser,tá tatuado em mim...
E ainda que me chamem de louca,
posso garantir que sou bem feliz assim!

Desculpe-me ,somente,
pelas doses excessivas de liberdade que ouso fartar-me...
Mas é que não aprendi a viver de mãos dadas com as regras
e muito mal me sentiria se tentarem acorrentar-me!

Mas não desculparei-me por ser quem sou!
Ando de cabeça erguida com toda essa minha transparência.
Escandolosamente orgulhosa por este meu atrevimento
ser a marca registrada da minha essência!

(Mell Glitter)
 
08/06/2009 01:33:26 :: RAFAEL MATOS


# Você (poesia - amor)

Você para mim vale muito,
Você vale mais que ouro,
Vale mais que prata,
Vale mais que rubi,
E todas as milhares de pedras preciosas que possam existir,
Você me faz aplaudi-la a vida inteira com seu jeito de ser,
Você faz parte de mim em todos os sentidos,
Você merece mais que o mundo de presente,
Você é demais,
É a minha vida que está entregue em tuas mãos.
 
07/06/2009 09:54:26 :: LUCIENE LIMA PRADO


SONETO DA MANSIDÃO

Os mansos de coração são felizes,
Acompanha-os a doçura da paz;
Possuem a luz que nunca se desfaz,
Iluminando serenas marquises.

A mansidão é uma graça divina,
Um refrigério espiritual das almas,
Uma passagem sobre águas calmas
Atingindo a nascente cristalina.

Aos mansos as beatitudes pertencem,
São aqueles que qualquer agonia vencem,
Dormem tranquilamente um sono reto.

Bem-aventurados na eternidade,
Um contentamento em cumplicidade
Com Deus eterno, de afeição, repleto.

(Luciene Lima Prado)
 
07/06/2009 09:53:05 :: LUCIENE LIMA PRADO


SILÊNCIO E CORTE

Exponho minha palavra taciturna
Vinda de teus ombros salgados,
Logo ao surgir dos orvalhos.

O que digo é o invisível,
O que sei é o crepúsculo.
Tudo que sei escorre em ti.

Aquilo que vale mais assusta;
Terminando no anonimato.
E minha palavra foi engolida
No teu despenhadeiro.

(Luciene Lima Prado)
 
07/06/2009 09:51:52 :: LUCIENE LIMA PRADO


PÔR-DO-SOL NOS MEUS OLHOS

Bonito pôr-do-sol   
Que Deus desenhou
Em meus olhos;
Eu, que há muito tempo,
Me fiz invisível
Tenho a arte divina,
Antes de dormir.
Arte que nunca deixa
De renascer e ser
Sempre mais e mais linda.

(Luciene Lima Prado)
 
07/06/2009 09:49:34 :: LUCIENE LIMA PRADO


DUAS LUAS (Rondel)

Como na terra seria
Se existissem duas luas?
Onde São Jorge moraria,
E como ficariam as ruas?

O homem veria as duas
Sem saber a quem cantaria.
Como na terra seria
Se existissem duas luas?

Vem vindo de costas nuas,
Manhosa, a cabocla Maria;
João beija as mãos suas...
Vendo luas no céu todo dia
Como na terra seria?
 
07/06/2009 09:48:28 :: LUCIENE LIMA PRADO


SONETO DA CARNE

Tenho na carne a chaga do pecado
Que nunca dissipa, só me consome;
Está manchado, pra sempre, meu nome,
Por eu ter por tantas vezes errado

Esta mísera criatura arde e sangra,
Espremida nas astúcias carnais;
Se passo por entre joios e trigais,
Irrita-me a repetição de um mantra.

Meus ouvidos não ouvem as orações,
Por estar refreado de más ações;
De tanta contravenção ouvir não pode.

Nada espero, nada quero esperar;
Porque nesta vida, sempre a amargar,
Minha maculada carne ainda explode.

(Luciene Lima Prado)
 
07/06/2009 09:47:34 :: LUCIENE LIMA PRADO


FINA POESIA

Caem as sementes de girassol
Sobre um corpo que sonha.

Do corpo sonhador sobre a grama
Emana uma inspirada serenidade.

E tudo vira flor-borboleta
A despetalar a poesia.

(Luciene Lima Prado)
 
07/06/2009 09:45:44 :: LUCIENE LIMA PRADO


SONETO DA VIAGEM INTERIOR

Velejo sobre o mar do pensamento,
Buscando a companhia da solidão,
E poder ver coisas que passarão
Por entre as nuvens, solo, fumaça e vento.

Que penso é o que há, tem fundamento;
Que sei começa no meu coração.
No meu mundo interior morre um “não,
O que penso, sinto e sei me dá alento.

Já não me interessa o que vem de fora,
Pois dentro de mim a verdade aflora;
Aqui se encontra o que chamo verdade.

Eu, sozinha, penso sem confusão,
Flutuo nas loucas ideias da razão
E me torno pequena realidade.

(Luciene Lima Prado)
 

Lomadee, uma nova espécie na web. A maior plataforma de afiliados da América Latina.